O automóvel como arma terrorista | Notícias internacionais e análises | DW | 18.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

O automóvel como arma terrorista

Há anos extremistas usam carros e caminhões para avançar contra multidões, como em Nice, Berlim, Estocolmo e, agora, Barcelona. Estratégia é difícil de ser contida pela polícia.

Spanien Barcelona Lieferwagen fährt in Menschenmenge (Imago/E-Press Photo.com)

O carro usado no atentado de Barcelona

A utilização de veículos por terroristas vem se tornando frequente nos últimos anos. Organizações extremistas convocaram repetidas vezes seus seguidores a realizarem esse tipo de atentado, difícil de ser frustrado pela polícia.

Diferentemente de explosivos e armas de fogo, automóveis estão disponíveis para qualquer pessoa e não despertam, a princípio, nenhuma desconfiança. Por isso, a lista de atentados do tipo é longa.

17 de agosto de 2017 - Treze pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas após uma van atropelar pedestres no movimentado calçadão de Las Ramblas, no centro de Barcelona. O ataque foi reivindicado pelo "Estado Islâmico" e três pessoas foram detidas. Horas mais tarde, outro atentado semelhante ocorreu na cidade costeira de Cambrils, também na Catalunha, deixando um morto. Os cinco envolvidos foram mortos a tiros pela polícia, antes de causarem mais vítimas.

13 de agosto de 2017 - Uma pessoa morreu e cerca de 20 ficaram feridas na cidade de Charlottesville, no estado americano da Virgínia, num dia marcado por confrontos entre participantes de uma marcha supremacista branca e manifestantes antirracismo.
As vítimas foram atropeladas por um dos participantes da marcha nacionalista, que avançou com seu carro contra os manifestantes antirracismo. A demora do presidente Donald Trump em condenar a violência de supremacistas brancos causou uma grande controvérsia política, inclusive entre seus correligionários do Partido Republicano.

19 de junho de 2017 - Um homem morreu e dez pessoas ficaram feridas depois que uma van avançou contra fiéis que saíam de uma mesquita em Londres durante a madrugada, afirmou a Polícia Metropolitana da capital britânica. Todas as vítimas são muçulmanas. O incidente ocorreu pouco depois da meia-noite, na Seven Sisters Road, perto da mesquita de Finsbury Park. A polícia disse ter prendido um suspeito. "O motorista da van foi encontrado detido pelas pessoas que estavam no local e foi preso em conexão com o incidente", informou a polícia.

3 de junho de 2017 - Três homens numa van avançaram contra pedestres na Ponte de Londres, na região central da capital britânica, atropelando dezenas de pessoas antes de se dirigirem ao Borough Market, um local repleto de bares e restaurantes, e esfaquearem diversas vítimas. O ataque deixou sete mortos e 48 feridos. Os suspeitos, que vestiam coletes com explosivos falsos, foram mortos pela polícia.

22 de março de 2017 - Um carro avançou contra pedestres na ponte Westminster no coração de Londres, matando três pessoas e deixando cerca de 50 feridos. Próximo dali, dentro da área pertencente ao prédio do Parlamento britânico, o motorista, Khalid Masood, esfaqueou um policial, que também morreu, antes de ser baleado e morto por policiais. Nascido Adrian Russell Ajao, o britânico de 52 anos teria se convertido ao islamismo. Ele fora condenado por uma série de crimes e, apesar de ter aparecido em investigações sobre terrorismo, não era considerado ameaça séria pelos serviços de inteligência.

19 de dezembro de 2016 – Um caminhão invadiu um mercado de Natal praça Breitscheidplatz, no bairro de Charlottenburg, em Berlim, deixando 11 mortos e ferindo 55. O autor do atentado, o tunisiano Anis Amri, de 24 anos, foi morto quatro dias depois do ataque por policiais nos arredores de Milão, no norte da Itália.  Amri vivia como refugiado na Alemanha, onde teve seu pedido de asilo negado, mas não foi deportado por falta de documentos. Ele tinha relações próximas com círculos muçulmanos extremistas, usara quase dez identidades diferentes para receber ajuda social em cidades na Alemanha. O tunisiano havia jurado fidelidade ao "Estado Islâmico" antes de realizar o atentado, estava sob investigação dos serviços antiterrorismo alemães, mas não chegara a ser considerado um perigo iminente pelas autoridades.

Caminhão usado como arma matou ao menos 84 pessoas em Nice

Caminhão usado como arma matou 84 pessoas em Nice

14 de julho de 2016: Em Nice, no sul da França, um caminhão avançou contra uma multidão, matando mais de 80 pessoas. O tunisiano Mohamed Lahouaiej Bouhlel, de 31 anos de idade, foi morto a tiros por policiais ao usar um veículo de 25 toneladas para realizar o atentado. O ataque ocorreu durante as festividades por ocasião do Dia da Bastilha, quando milhares de pessoas estavam reunidas na famosa avenida à beira-mar Promenade dês Anglais para ver a queima de fogos de artifício. Bouhlel morava na cidade e não estava na lista de vigilância dos serviços de inteligência franceses.

14 de março de 2016: Na Cisjordânia, um soldado foi atropelado e ferido por um palestino. Antes disso, no mesmo lugar, dois palestinos haviam atacado um posto do Exército israelense com armas de fogo. Todos os três palestinos foram mortos por tiros das forças de segurança israelenses. No total, três soldados saíram feridos.

14 de dezembro de 2015: Um palestino avança com seu carro sobre um grupo de pessoas que esperava num ponto de ônibus na periferia de Jerusalém, deixando 14 pessoas feridas. O autor do atentado foi morto a tiros.

13 de outubro de 2015: Dirigindo em alta velocidade, um palestino jogou seu carro contra uma parada de ônibus, onde estavam muitos passantes. Em seguida, o homem desceu do veículo e esfaqueou um israelense, antes de ser morto por policiais.

5 de novembro de 2014: Numa parada de bonde em Jerusalém, um agressor palestino avançou sobre passantes com sua van. Em seguida, ele desceu do carro e atacou os transeuntes com uma barra de ferro, matando um homem e ferindo outras 14 pessoas. A organização palestina radical Hamas reivindicou a autoria do atentado.

20 de outubro de 2014: Num subúrbio de Montréal, um canadense de 25 anos convertido ao islamismo avançou com um veículo sobre um grupo de soldados, matando um deles e ferindo outro. Depois de uma perseguição, o autor foi morto a tiros. Durante a investigação subsequente, constatou-se que ele pretendia se aliar a um grupo extremista na Síria.

4 de agosto de 2014: Em Jerusalém, um homem de 23 anos da parte árabe da cidade, no lado oriental, avançou com uma escavadeira sobre um ônibus de linha, matando um passante e ferindo várias outras pessoas. O motorista do ônibus ficou levemente ferido. O agressor foi morto a tiros pela polícia.

22 de maio de 2013: O soldado britânico Lee Rigby foi atropelado no meio da rua por dois londrinos de origem nigeriana e, em seguida, esfaqueado até a morte. Os agressores permitiram que passantes filmassem a cena e declararam que queriam vingar os muçulmanos vítimas da violência ocidental em outras partes do planeta.

2 de julho de 2008: Com um veículo para recolha de resíduos, um homem da parte oriental de Jerusalém avançou contra outros automóveis na Jaffa Road. Ele matou três pessoas e feriu ao menos 30 passantes, até ser morto pela polícia.

Homem atacou grupos de passantes numa parada de bonde em Jerusalém, em novembro de 2014

Homem atacou grupos de passantes numa parada de bonde em Jerusalém, em novembro de 2014

Carros-bomba

Além desse tipo de ataque, carros-bomba são utilizados repetidamente por suicidas contra postos policiais e militares ou instalações civis. No Iraque e em outros países do Oriente Médio, já não é mais possível contar o número de ataques desse tipo.

Na Europa, registrou-se um ataque semelhante em 30 de junho de 2007. Um jipe carregado com botijões de gás propano se chocou contra o portão de entrada do aeroporto internacional em Glasgow, na Escócia, pegando fogo em seguida. Barreiras de concreto impediram que o veículo conseguisse entrar no interior do terminal. Os dois agressores, um indiano e um iraniano, foram presos numa troca de tiros com forças de segurança. Um deles veio a morrer mais tarde das queimaduras que sofreu no ataque.

Leia mais