Mulheres marcam presença no Festival de Cinema de Berlim | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 06.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cinema

Mulheres marcam presença no Festival de Cinema de Berlim

Com mais de 40% dos filmes na competição principal dirigidos por mulheres, Berlinale estabelece recorde entre grandes festivais. Juliette Binoche preside o júri, e retrospectiva destaca mulheres cineastas.

Cena de Zur Sache, Schätzchen, de 1968

Cena de "Zur Sache, Schätzchen", de 1968: retrospectiva da Berlinale aborda trabalho de mulheres cineastas na Alemanha

Sete dos 17 filmes que disputam em 2019 o Urso de Ouro, o principal prêmio da Berlinale, o Festival de Cinema de Berlim, foram dirigidos por mulheres.

É um recorde entre os grandes festivais de cinema: no ano passado, Cannes teve três, e Veneza, somente uma diretora na competição principal. E as atuais nomeações para melhor filme do Oscar não incluem nenhuma mulher.

A Berlinale de 2019 promete destacar o trabalho das mulheres em vários níveis. O festival nesta quinta-feira (07/02) com o filme The Kindness of Strangers, da cineasta dinamarquesa Lone Scherfig. Uma das fundadoras do movimento cinematográfico Dogma 95, ela também dirigiu o premiado Educação (2009).

O júri do festival, encarregado de escolher os Ursos de Ouro e Prata, é presidido pela atriz francesa Juliette Binoche. O corpo de jurados, composto de três mulheres e três homens, inclui ainda a atriz alemã Sandra Hüller (As faces de Toni Erdmann) e a diretora e produtora Trudie Styler (Freak Show).

A seção Retrospectiva, intitulada este ano Autodeterminada. Perspectivas de Mulheres Cineastas, destaca trabalhos de diretoras de todos os gêneros cinematográficos das antigas Alemanhas Oriental e Ocidental, passando pelo movimento estudantil de 1968 e a década seguinte à reunificação do país, em 1990.

Os prêmios honorários de 2019, que serão entregues em 14 de fevereiro, também reconhecem o trabalho de duas ícones femininas do cinema, a atriz britânica Charlotte Rampling e Agnès Varda, cineasta francesa da Nouvelle Vague.

A tendência não é completamente nova em Berlim. Os dois últimos Ursos de Ouro do festival também foram concedidos a mulheres: Adina Pintilie, por Não me toque, em 2018, e Ildiko Enyedi, por Corpo e Alma, em 2017.

Em contrapartida, o Festival de Cinema de Cannes concedeu apenas uma vez a Palma de Ouro a uma cineasta feminina – Jane Campion, por O Piano,em 1993.

Conhecida por abordar questões políticas atuais, a Berlinale também está se juntando a um compromisso de paridade de gênero, o qual outros festivais, como Cannes e Veneza, já assumiram em 2018.

O diretor do festival, Dieter Kosslick, assinará o compromisso em 9 de fevereiro num evento que será seguido por uma palestra sobre "gender, gênero e grandes orçamentos", com a produtora americana Gale Anne Hurd (O exterminador do futuro, The Walking Dead) e Anna Serner, CEO do Instituto Sueco de Cinema.

A promessa, lançada em Cannes no ano passado e iniciada pela organização francesa 5050 by 2020, não impõe cotas obrigatórias, mas insta festivais a se comprometerem com a paridade de gênero em sua gestão e exige transparência de dados em torno das inscrições de filmes e comissões de programação.

Na verdade, o festival alemão não terá que mudar muito em sua organização atual para cumprir os requisitos do compromisso de paridade. Kosslick revelou antes da Berlinale de 2019 que 81% das pessoas envolvidas na escolha dos filmes da competição eram mulheres, acrescentando que os comitês de seleção para a maioria das seções do festival já possuem maioria feminina.

A Berlinale também deverá se tornar o primeiro grande festival com uma mulher à sua frente. Kosslick, que após 18 anos está deixando o cargo de diretor do Festival de Berlim, será substituído por uma dupla: Mariette Rissenbeek foi indicada para assumir o cargo de diretora-executiva, enquanto Carlo Chatrian será o diretor artístico do festival.

Kosslick anunciou que os dois codiretores irão acompanhá-lo no tapete vermelho na abertura de sua última Berlinale, em 7 de fevereiro.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais