″Morte aos traidores″, diz agressor de deputada britânica | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 18.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Morte aos traidores", diz agressor de deputada britânica

No tribunal, homem acusado de matar Jo Cox, contrária ao "Brexit", se recusa a responder perguntas e diz: "Liberdade ao Reino Unido." Autoridades não especificam motivos do crime e solicitam avaliação psiquiátrica.

Caricatura de Thomas Mair entre policiais em tribunal em Londres

Caricatura de Thomas Mair entre policiais em tribunal em Londres

O homem acusado de matar a deputada britânica Jo Cox, defensora da permanência do Reino Unido na União Europeia (UE), compareceu a um tribunal em Londres neste sábado (18/06). Quando o juiz pediu que ele se identificasse, Thomas Mair, de 52 anos, respondeu: "Morte aos traidores, liberdade ao Reino Unido."

Algemado, Mair repetiu a frase quando a pergunta foi feita novamente, se recusando a dizer seu nome verdadeiro. Ele também não respondeu quando questionado sobre seu endereço e data de nascimento.

Mair permanecerá sob custódia até a próxima aparição no tribunal, na próxima segunda-feira. Uma avaliação psiquiátrica foi solicitada. Em entrevista ao jornal Daily Telegraph, o irmão de Mair declarou que ele sofria de doença mental e estava em tratamento.

Além de assassinato, Mair é acusado de lesão corporal grave, posse de arma de fogo com intenção de cometer infração grave e posse de arma ofensiva.

Cox, de 41 anos e membro do Partido Trabalhista, levou dois tiros e foi esfaqueada na última quinta-feira, após deixar seu carro na cidade de Birstall, onde se reuniria com eleitores. Um homem de 77 anos continua internado após ter sido ferido ao tentar ajudar Cox durante o ataque contra a deputada.

O assassinato de Cox fez com que as campanhas pré-referendo sobre o Brexit (saída do Reino Unido da UE), a ser realizado no próximo dia 23, fossem suspensas por ambos os lados.

Comícios e grandes eventos eleitorais não devem ser retomados antes de segunda-feira, e segundo analistas, devem adotar um tom mais conciliatório. Neste sábado houve algumas poucas manifestações, com a campanha pela saída do bloco europeu postando em sua conta no Twitter.

As autoridades ainda não especificaram possíveis motivos para o assassinato de Cox. A polícia antiterrorismo está envolvida nas investigações, mas as acusações contra Mair não incluem infrações terroristas.

LPF/ap/afp

Leia mais