Morre artista Lucian Freud, neto do criador da psicanálise | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 22.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Morre artista Lucian Freud, neto do criador da psicanálise

Pintor nasceu em Berlim em 1922, recebendo o passaporte britânico ainda jovem. Seus nus realistas fascinam e valem fortunas para alguns, enquanto outros os consideram repulsivos, provocadores ou pura pornografia.

Selbstportrait von Lucian Freud

'Reflection', autorretrato de Lucian Freud

Corpos disformes, descompostos, ossudos ou com banha sobrando, rugas, veias sob a pele pálida, seios caídos: Lucian Freud acentuava tudo o que os retratos normalmente tentam esconder e embelezar. Seus nus são honestos, reveladores, impiedosos até – lisonjas e concessões não eram seu estilo.

Lucian Freud, Naked Portrait on a Red Sofa, 1989 – 91, oil on canvas, 100.2 x 90.2 cm., Private Collection, © the Artist ***Das Pressebild darf nur in Zusammenhang mit einer Berichterstattung über die Ausstellung verwendet werden***

'Naked portrait on a red sofa', 1989

Após breve moléstia, o artista plástico "faleceu tranquilamente" em sua residência em Notting Hill, Londres, na última quarta-feira (20/07), conforme anunciou sua advogada na madrugada desta sexta-feira. Freud contava 88 anos de idade. Seu grande tema era a alma humana – da mesma forma que para seu avô, o célebre Sigmund. Mas enquanto a pai da psicanálise tentou nela penetrar, analisá-la em profundidade, o pintor buscava retratá-la a partir da superfície. Como declarou certa vez: "Gostaria que meus retratos fossem, por assim dizer, as pessoas mesmas, não só sua aparência exterior".

Enquanto alguns se dizem fascinados com suas telas, outros as rejeitam como provocadoras, de mau gosto, ou simplesmente feias. Para uns, era um rebelde, para outros, nada mais do que um pornógrafo. Contudo, justamente essas acaloradas controvérsias é que ajudaram a projetar a fama de Lucian Freud.

Tudo é autorretrato


As obras do mestre da arte realista ocupam "um lugar único no salão da fama da arte do final do século 20" e "redefiniram a arte britânica", afirma Nicholas Serota, diretor da Tate Gallery de Londres. William Acquavella, galerista de Nova York e amigo do artista plástico, o definiu assim: "Em companhia, ele era excitante, humilde, caloroso e engraçado. Vivia para pintar e pintou até o dia em que morreu, bem longe do barulho do mundo".

Inhaltliche Daten Caption Lucian Freud Artist. Schlagworte Kunst , Künstler , Artist , Maler

Lucian Freud

Lucian Freud nasceu em 8 de dezembro de 1922, em Berlim. O pai, Ernst, era o filho mais novo de Sigmund Freud. A família de judeus deixou a Alemanha em 1933, fugindo dos nazistas que acabavam de subir ao poder, e seis anos mais tarde Lucian recebia a cidadania britânica.

Aos 14 anos de idade já frequentava a Central School of Art de Londres, mais tarde o Goldsmith's College. No início da carreira, houve quem lhe dissesse que não era suficientemente moderno. Inicialmente, experimentou com o estilo surrealista, e aos 21 anos, organizava sua primeira mostra.

Nos anos 50, redescobriu para si a arte dos retratos e dos nus realistas. Em geral, seus modelos eram parentes ou amigos, dificilmente Freud retratava gente que se destacasse por uma beleza extraordinária. Entre as raras exceções, a top-model Kate Moss e Jerry Hall, ex-esposa de Mick Jagger.

"Ele dizia que tudo o que fazia era autobiográfico e um autorretrato", comenta William Feaver, ex-crítico do jornal The Observer. "Ele era um artista vivaz, impulsivo, mas generoso em sua arte."

Eloquência dos punhos

**EDS NOTE NUDITY** This photo provided by Christie's shows Benefits Supervisor Sleeping, by British artist Lucien Freud. The 1995 painting could set a record for a living artist when it goes on the auction block in New York Tuesday, May 13, 2008 for an estimated $25 million to $35 million. (AP Photo/Christie's) **NO SALES; PHOTO PROVIDED BY CHRISTIE'S**

'Benefits supervisor sleeping', 1995

As telas de Lucian Freud alcançam preços astronômicos no mercado de arte. Em 2008, o bilionário russo Roman Abramovitch adquiriu, num leilão da Christie's de Nova York, o quadro Benefits supervisor sleeping, de 1995, que mostra uma mulher patologicamente obesa dormindo sobre um sofá. A soma paga, 33,6 milhões de dólares, estabeleceu recorde absoluto para um artista vivo.

Por outro lado, o tabloide inglês The Sun tachou de "um travesti" o retrato de 2001, que mostra uma rainha Elizabeth 2º bastante masculina, sob uma pesada coroa. Ao que consta, os dois entabularam excitantes conversas durante as longas horas em que a Queen teve que posar para o artista.

Lucian Freud não escandalizava apenas com sua arte: também seu estilo de vida levantou censuras. Há boatos de que teria até 40 filhos ilegítimos. E frequentemente se envolvia em pancadarias. Numa entrevista, justificou-se: "O motivo não foi que eu goste tanto assim de brigar. As pessoas realmente me disseram coisas que, em minha opinião, eu só poderia responder com pancadas".

AV/dpa/afp/rtr
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais