Moro manda soltar executivos da Odebrecht | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 20.12.2016

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Moro manda soltar executivos da Odebrecht

Juiz federal acata pedido de defesa e do Ministério Público Federal e manda libertar dois ex-funcionários da empreiteira. Marcelo Odebrecht, um dos proprietários da construtora, permanece preso.

Fachada da sede da Odebrecht em São Paulo

Fachada da sede da Odebrecht em São Paulo

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas ações em primeira instância da Operação Lava Jato, mandou soltar nesta terça-feira (20/12) dois ex-executivos da Odebrecht que estavam presos desde março do ano passado. Apenas um dos proprietários da empreiteira, Marcelo Odebrecht, continua detido.

Moro determinou a soltura de Olívio Rodrigues Junior e Luiz Eduardo da Rocha Soares, acusados de atuar no Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht, setor responsável pelo pagamento de propina a políticos, de acordo com o Ministério Público Federal (MPF).

O juiz acatou um pedido da defesa e do próprio MPF, no mesmo dia, em que os depoimentos de delação de 77 executivos da empreiteira foram entregues ao Supremo Tribunal Federal (STF). A liberdade dos dois estava prevista no acordo feito com as autoridades.

Na decisão, Moro destacou que a prisão cautelar não tem mais justificativa, devido ao desmantelamento do setor e ao comprometimento da empreiteira de mudar suas práticas empresarias. Os executivos cumprem agora medidas cautelares e estão proibidos de deixar o país.

O juiz alegou que a permanência de Marcelo Odebrecht na prisão ocorre, pois a situação do empreiteiro seria diferente da dos dois executivos, já tendo sido julgado e condenado em outro processo. O executivo  foi condenado pelo juiz a 19 anos e quatro meses de prisão por crimes de corrupção passiva, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

CN/abr/ots

Leia mais