1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Soldado ucraniano vê destruição em Kiev após ataque dos russos
Destruição após combates nas ruas de KievFoto: Efrem Lukatsky/AP/dpa/picture alliance

Moradores de Kiev vivem tensão e sensação de impotência

Alexander Sawizkij
1 de março de 2022

Habitantes da capital ucraniana enfrentam longas filas nos mercados, toques de recolher prolongados e noites dormidas no chão do metrô. Repórter da DW relata a vida na cidade no quinto dia de batalha.

https://p.dw.com/p/47pS9

É segunda-feira (28/02), quinto dia da invasão da Ucrânia por tropas da Rússia, e forças ucranianas parecem ter conseguido repelir os combatentes russos para a periferia de Kiev e procuram sabotadores dentro dos limites da capital.

Enquanto isso, os civis têm que fazer esforços cada vez maiores para sobreviver: pela primeira vez em décadas, a população de Kiev está passando por uma escassez de pão, alimentos básicos e medicamentos.

À espera da normalidade

Na manhã de segunda, havia muito mais pessoas e carros nas ruas de Kiev do que nos dias anteriores. Após um dia e meio de toque de recolher obrigatório, muitos tiveram que deixar suas casas ou abrigos antiaéreos para se reabastecer com alimentos, água potável e remédios.

A prefeitura da cidade tenta assegurar a entrega de alimentos nas lojas, mas a escassez é sentida em toda a capital. No centro de Kiev, as pessoas têm que fazer fila por mais de duas horas na frente dos supermercados.

População de Kiev faz fila em frente de um caixa automático
Filas podem ser vistas também na frente de caixas automáticosFoto: Lilia Rzheutska/DW

Os consumidores que saem das lojas dizem que não há pão, legumes e frutas, mas sim produtos lácteos com um longo prazo de validade. Dentro delas, é possível confirmar que bolos, doces e cigarros estão nas prateleiras, assim como bebidas alcoólicas, que só podem ser vendidas durante o dia.

A maioria das pessoas compreende a situação de escasez, mas está muito preocupada com o futuro do abastecimento de alimentos na metrópole de três milhões de habitantes. O mercado agrícola mais próximo já havia sido fechado após o primeiro bombardeio na periferia de Kiev, em 24 de fevereiro.

Filas menores, com 20 a 30 pessoas, podem ser vistas em frente às farmácias. Uma aposentada está visivelmente assustada. "Por que as farmácias não são consideradas instalações de infraestrutura crítica?", pergunta. Ela é diabética, e outros membros da família sofrem de pressão alta. "Minha irmã tem problemas cardíacos, e meu genro é epiléptico. Especialmente agora, as farmácias deveriam ficar abertas 24 horas por dia", diz ela.

Toque de recolher prolongado

Até agora, a administração de Kiev tem conseguido manter o funcionamento estável de serviços municipais. Com exceção dos bairros onde houve combate nas ruas, os moradores têm eletricidade, aquecimento e água quente à disposição.

As redes de fibra ótica e a internet móvel de todas as operadoras ucranianas estão funcionando de forma estável. Um problema, porém, é que o lixo da cidade não pode ser recolhido. Já o transporte público funciona apenas de forma irregular.

Forças de segurança da Ucrânia fazem operação em rua de Kiev
Controle nas ruas de Kiev: policiais buscam sabotadores pró-RússiaFoto: Aytac Unal/AA/picture alliance

No quinto dia de defesa da capital, as autoridades locais, em consulta com o comandante militar, prorrogaram a duração do toque de recolher noturno. Agora, ele começa às 20 horas – em vez das 22 horas – e vai até às 8 horas do dia seguinte. Além disso, o uso das faixas destinadas ao transporte público local é estritamente proibido para veículos particulares. Apenas veículos de carga, transporte público, ambulâncias, militares e policiais podem usá-las.

"Os carros que circulam nestas faixas podem ser identificados como veículos de sabotagem e de reconhecimento [russos]", alertam as autoridades, lembrando às pessoas que a lei marcial está atualmente em vigor. Ao mesmo tempo, eles pedem para as pessoas permanecerem calmas e para não se colocarem em perigo.

A razão para o endurecimento das medidas é o perigo representado pelos esquadrões de sabotagem, mas também os casos de pilhagem – mesmo que sejam ainda muito raros. Nas redes sociais, as Forças Armadas alertam que os sabotadores se disfarçam de militares ucranianos ou usam roupas civis e, ainda, se deslocam em ambulâncias ou veículos civis com placas ucranianas. Uma lista de veículos capturados por sabotadores russos – quase 30, no total – foi publicada. Em caso de suspeita, as pessoas devem informar ao Exército e às autoridades.

Noites no subsolo

As estações de metrô estão entre os poucos lugares públicos onde as pessoas podem ficar durante o toque de recolher, sendo que quatro delas foram designadas como abrigos antiaéreos. Mas também em outras estações subterrâneas, as pessoas se deitam nas plataformas e, se não houver espaço suficiente, acomodam-se na área de entrada da estação.

Moradores de Kiev procuram proteção em estações de metrô da cidade
Muitos moradores de Kiev passam as noites em estações de metrôFoto: Viacheslav Ratynskyi/AA/picture alliance

Adultos e crianças, alguns até com animais de estimação, chegam à noite nas estações, antes de começar o toque de recolher, para passar a noite. Outras pessoas se dirigem para seus porões ou garagens subterrâneas de suas casas. Elas levam consigo as porções necessárias de alimento e água, embora também existam fontes com água potável e banheiros nas estações de metrô. Nas profundezas do subsolo, explosões e sirenes não podem ser ouvidas.

Pela manhã, as pessoas deixam as estações e correm para suas casas para reabastecer seus suprimentos, respirar e tentar descansar um pouco. Mesmo durante o dia, há sempre alarmes de ataque aéreo, mas muitas pessoas não prestam mais atenção a eles.

"As sirenes muitas vezes tocam, mas nem sempre uma comunicação é feita. Nem sempre posso correr de um lado para o outro", diz um homem de meia-idade. Ele está brincando com seus dois filhos em um quintal de Kiev quando as sirenes começam a tocar novamente.

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado