Militares nos presídios ″é mais marketing do que solução″ | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Militares nos presídios "é mais marketing do que solução"

Para especialistas, medida adotada pelo governo é paliativa e de eficácia questionável para resolver a crise nas penitenciárias. "Decisão de chamar o Exército sempre ocorre quando não sabem o que fazer."

No momento em que o presidente Michel Temer dribla instabilidades políticas e se vê obrigado a contornar crises que a princípio não estavam na agenda, como é o caso da falência do sistema penitenciário, a decisão de destacar o Exército para atuar nos presídios tem muito mais relação com estratégia do que com eficácia, avaliam especialistas ouvidos pela DW Brasil.

As Forças Armadas são vistas com confiança e credibilidade pela maioria da população brasileira. Pesquisa de opinião do Ibope, de 2015, mostrou que o Exército é a terceira instituição mais bem vista pelos brasileiros, atrás somente do Corpo de Bombeiros e das igrejas, e isso num cenário de alta rejeição a outras instituições, como o Congresso Nacional e os partidos políticos.

Os especialistas veem com bastante ceticismo e preocupação a decisão federal de disponibilizar pelo menos mil homens das Forças Armadas para vistorias em presídios rebelados. Sabemos que o Exército não funciona bem nessas situações de segurança pública. Vão fazer só varreduras? E por que a polícia não faz isso? Não acredito que seja eficaz. Fica parecendo que é só marketing. Como o Exército tem popularidade, trazem isso para rebater um pouco a agenda negativa que a rebelião dos presídios trouxe", afirma o professor Claudio Beato, coordenador geral do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública da Universidade Federal de Minas Gerais.

Já o professor José Vicente Tavares, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, afirma que a atuação excepcional do Exército em crises urbanas, como ocorreu na ocupação de morros e favelas no Rio de Janeiro, teve resultados catastróficos no passado. "Força Nacional, Exército e construção de novos presídios são apenas soluções paliativas e que já foram feitas no passado. Deu no que deu", afirma o sociólogo, coordenador do Grupo de Pesquisa Violência e Cidadania da universidade gaúcha.

Segundo Tavares, as Forças Armadas têm funções constitucionais bastante específicas, e entre elas não está a atuação no sistema carcerário, o que requer qualificação e especialização. "O governo tenta tapar o sol com peneiras que já se mostraram furadas." Para o professor, desde o início das rebeliões, o governo federal não apontou nenhuma medida efetiva que possa ter reflexo na raiz do problema, que é o encarceramento em massa. "Há uma visão muito errônea do que é segurança pública no Brasil", acrescenta, criticando, ainda, omissões e visões conservadoras do Poder Judiciário.

A convocação do Exército pelo presidente Michel Temer tem base constitucional. De acordo com Roberto Dias, professor de direito constitucional da Fundação Getúlio Vargas –SP, o artigo 142 da Constituição prevê que, por iniciativa dos poderes constitucionais, o Exército seja destacado para uma ação excepcional para a manutenção da lei e da ordem. A lei que regulamenta esses casos excepcionais é de 1999.

De acordo com essa lei, invocar o Exército é algo que só deve ser feito quando "esgotados os instrumentos destinados à preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio". Ou seja, "ou o presidente da República ou os governadores dos estados vão ter que reconhecer, formalmente, que há uma falência na segurança pública para a contenção e reversão do problema carcerário que estamos enfrentando", avalia Dias.

Ainda que haja uma brecha constitucional, Dias questiona se a atuação do Exército nos presídios poderá contribuir de forma efetiva para a solução dos problemas. "Aí parece estar o grande equívoco. Mesmo que respeitados todos os requisitos legais e constitucionais para o emprego das Forças Armadas em situações pontuais e momentâneas, me parece que elas não são aptas para enfrentar um problema como esse."

Leia mais