Miliciano Adriano da Nóbrega é morto em operação na Bahia | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 09.02.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Miliciano Adriano da Nóbrega é morto em operação na Bahia

Ex-PM era ligado a Flávio Bolsonaro e apontado como chefe do Escritório do Crime, grupo investigado no caso Marielle Franco. Foragido há mais de um ano, ele morreu em troca de tiros com a polícia, diz governo baiano.

Armas encontradas no imóvel em Esplanada (BA) onde Adriano da Nóbrega estava escondido

Armas encontradas no imóvel em Esplanada (BA) onde Adriano da Nóbrega estava escondido

O ex-policial militar Adriano Magalhães da Nóbrega, apontado como chefe do Escritório do Crime, foi morto neste domingo (09/02) durante uma troca de tiros com a polícia na cidade de Esplanada, no interior da Bahia, segundo informaram autoridades do estado.

Adriano estava foragido desde janeiro do ano passado, quando foi emitido um mandado de prisão contra ele no âmbito da Operação Intocáveis, na qual era réu. Ele foi acusado de comandar um esquema de agiotagem, grilagem de terras e construções ilegais em Rio das Pedras, no Rio de Janeiro, envolvendo pagamento de propina a agentes públicos.

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia informou que Adriano passou a ser monitorado por equipes do órgão após relatos de que ele estaria escondido no estado.

Há duas semanas, policiais já haviam tentado prendê-lo em uma mansão na Costa do Sauípe, no litoral baiano, mas fracassaram. Em buscas no local, agentes encontraram apenas documentos falsos. Ele teria fugido antes da chegada das autoridades.

Localizado agora em um imóvel na zona rural de Esplanada, o ex-capitão teria resistido à tentativa de prisão e efetuado disparos contra policiais. Segundo a secretaria, ele acabou ferido na troca de tiros, foi levado a um hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

"Procuramos sempre apoiar as polícias dos outros estados e, desta vez, priorizamos o caso por ser de relevância nacional. Buscamos efetuar a prisão, mas o procurado preferiu reagir atirando", afirmou o secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Teles Barbosa, em nota.

Participaram da operação equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Litoral Norte e da Superintendência de Inteligência (SI) da Secretaria de Segurança Pública da Bahia.

Os policiais teriam apreendido com Adriano uma pistola austríaca calibre 9mm. Dentro do imóvel em que ele foi encontrado, agentes acharam mais três armas.

Adriano da Nóbrega é suspeito de cometer diversos homicídios e de comandar o chamado Escritório do Crime, um grupo de extermínio formado por membros da "banda podre" da polícia que comete assassinatos por encomenda, muitas vezes a mando da milícia.

A polícia também investiga a suspeita de participação desse grupo no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes em março de 2018, por encomenda da milícia que controla a favela de Rio das Pedras.

Em comunicado neste domingo, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia disse que Adriano era suspeito de envolvimento na morte de Marielle, embora o nome dele não conste do inquérito.

Em 2011, Adriano já havia sido preso em uma operação de grande repercussão no Rio por suspeita de atuar como segurança de um bicheiro. Em 2014, foi expulso da Polícia Militar (PM).

Ligação com Flávio Bolsonaro

O ex-capitão também é citado na investigação que apura um esquema de "rachadinha" (divisão de salários de funcionários) no gabinete do então deputado estadual e hoje senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Adriano trabalhou no 18º Batalhão da PM com Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio na Alerj, que é investigado por lavagem de dinheiro no esquema de "rachadinha". Segundo o Ministério Público, contas bancárias controladas por Adriano foram usadas para abastecer Queiroz.

A mãe e a esposa de Adriano também trabalharam no gabinete de Flávio, supostamente contratadas por Queiroz, que é amigo de décadas de Jair Bolsonaro. Parte do salário das duas ficava com o ex-PM, segundo aponta o Ministério Público.

Os caminhos de Flávio Bolsonaro e do miliciano já se cruzaram de maneira mais pública no passado. Em 2003, quando iniciou seu primeiro mandato na Alerj, Flávio propôs uma homenagem a Adriano da Nóbrega. Na moção de louvor, Flávio disse que "o policial militar desenvolvia sua função com dedicação e brilhantismo, desempenhando com absoluta presteza e excepcional comportamento as suas atividades".

Em 2005, Adriano recebeu a medalha Tiradentes da Alerj a pedido de Flávio. Em abril de 2018, Marielle Franco recebeu postumamente a mesma honraria – e o filho do presidente foi o único deputado da Alerj que votou contra a concessão.

EK/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais