Milhares protestam contra detenção de Puigdemont | Notícias internacionais e análises | DW | 25.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Europa

Milhares protestam contra detenção de Puigdemont

Cerca de 55 mil pessoas foram às ruas em Barcelona pedir a libertação de líder separatista catalão que foi detido na Alemanha. Confronto entre polícia e grupo de manifestantes deixa ao menos 50 feridos.

Protesto pela liberdade de Puigdemont em Barcelona

Manifestantes marcharam até consulado da Alemanha

Milhares de pessoas protestaram neste domingo (25/03) em Barcelona contra a detenção do ex-chefe de governo da Catalunha Carles Puigdemont, foragido da Justiça espanhola. O líder catalão foi detido na Alemanha, quando ele tentava atravessar de carro a fronteira a partir da Dinamarca.

Um grupo de manifestantes se reuniu em frente a um edifício da Comissão Europeia na capital catalã. De lá, eles marcharam até o consulado da Alemanha.

Os manifestantes exigiam a libertação de Puigdemont e de outros cincos políticos separatistas que foram presos na sexta-feira por ordem do Supremo Tribunal.

"Esta Europa é vergonhosa", gritavam em frente ao edifício da Comissão Europeia. Alguns dos presentes levavam ainda cartazes e repetiam o slogan "Puigdemont, nosso presidente".

Confronto entre manifestantes e polícia em protesto em Barcelona

Um dos grupos de manifestantes entrou em confronto com a polícia

Outros manifestantes se reuniram em frente ao prédio da delegação do governo da Espanha. Um grupo entrou em confronto com a polícia ao tentar furar o cordão policial no entorno da região.

Manifestantes jogaram garrafas de vidro, ovos e outros objetos nos policiais, que responderam com violência. Na confusão, ao menos 50 pessoas ficaram levemente feridas, incluindo três agentes de segurança. Três pessoas foram detidas.

Segundo autoridades catalãs, ambos os protestos reuniram 55 mil pessoas. Os atos foram convocados pelos chamados Comitês de Defesa da República catalã (CDR) e pela Assembleia Nacional da Catalunha (ANC).

Grupos que defendem a independência da região bloquearam ainda várias estradas na Catalunha ou atrapalham a circulação de veículos.

Manifestante com foto de Puigdemont

Em protesto, manifestante segura foto Puigdemont

Em Girona, cidade da qual Puigdemont foi prefeito, os manifestantes pintaram de amarelo a fachada da subdelegação do governo central e retiraram a bandeira da Espanha. O amarelo é a cor usada pelos separatistas para pedir a liberdade dos líderes presos.

Prisão na Alemanha

Puigdemont foi detido neste domingo na Alemanha. O motivo da prisão é uma ordem europeia emitida pela Justiça espanhola contra o político. Ele é processado em seu país pelos crimes de rebelião e malversação de fundos públicos em relação ao processo de independência iniciado na Catalunha em 2017.

A Justiça alemã decidirá na segunda-feira se Puigdemont permanecerá sob custódia da polícia enquanto aguarda o resultado do processo de extradição. Se retornar à Espanha, ele pode enfrentar até 25 anos de prisão.

Puigdemont deixou a Espanha para um autoexílio na Bélgica no ano passado, pouco depois de o Parlamento catalão fazer uma declaração simbólica de independência da Espanha.

CN/efe/ap/lusa/afp

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais