Milhares de manifestantes exigem governo civil no Sudão | Notícias internacionais e análises | DW | 30.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

África

Milhares de manifestantes exigem governo civil no Sudão

Sudaneses saem às ruas contra governo militar e pedem transferência de poder aos civis quase três meses após Exército derrubar presidente. É o primeiro protesto desde a repressão violenta de 3 de junho que matou dezenas.

Sudaneses marcham em Cartum, capital do país

Sudaneses marcham em Cartum, capital do país, contra conselho militar que governa a nação africana

Dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas do Sudão neste domingo (30/06) para exigir a transferência de poder aos civis, quase três meses depois de os militares terem derrubado o presidente Omar al-Bashir, que comandou a nação africana por três décadas.

As manifestações ocorrem em meio a um impasse de semanas entre o conselho militar do Sudão, que governo interinamente o país, e os líderes dos protestos. Negociações entre as duas partes sobre um acordo de partilha de poder fracassaram no início deste mês, quando forças de segurança usaram da violência para dispersar manifestantes na capital, Cartum.

A repressão que se seguiu matou ao menos 128 pessoas em todo o país, segundo os organizadores dos protestos. Autoridades, por sua vez, falam em 61 vítimas, incluindo três membros das forças de segurança. Ao menos cinco pessoas teriam morrido durante os atos deste domingo.

A marcha, a primeira desde a repressão violenta de 3 de junho, marca ainda o 30º aniversário do golpe apoiado pelos islamistas que levou Bashir ao poder em 1989, derrubando assim o último governo eleito do Sudão. Ele foi deposto em abril deste ano pelos militares, em meio a protestos em massa contra seu governo.

Os sudaneses estiveram reunidos neste domingo em vários pontos da capital e da cidade irmã de Omdurmã, tendo ainda marchado em direção às casas daqueles que morreram desde o início da revolta. "Esse é um dia muito importante para o povo do Sudão", disse um manifestante.

A onda de protestos eclodiu em dezembro, desencadeada pela grave crise econômica no país. Os manifestantes continuaram a sair às ruas mesmo após a queda e a prisão de Bashir, temendo que os militares se segurassem no poder e conservassem muito de seu regime.

Vídeos compartilhados em redes sociais mostram os participantes dos atos deste domingo ecoando gritos como "conselho de Burhan, apenas caia", em referência ao general Abdel-Fattah Burhan, chefe do conselho militar que governo o país.

As imagens mostraram ainda manifestantes fugindo das forças de segurança e procurando abrigo para se proteger das nuvens de gás lacrimogêneo nas ruas da capital sudanesa.

Sudan Khartum | Protest gegen Militärregierung | Einsatz von Tränengas (Reuters/M.N. Abdallah)

Forças de oposição denunciaram o uso de gás lacrimogêneo contra manifestantes neste domingo

Em uma rodovia que leva ao aeroporto internacional de Cartum, um comboio de tropas militares e da polícia permitiu que alguns participantes dos atos seguissem caminho em direção à casa de um manifestante que morreu no início do mês.

A mãe desse manifestante estava do lado de fora da residência e se uniu ao protesto. Eles ergueram bandeiras sudanesas e entoaram gritos que pediam por um governo civil.

Mohammed Yousef al-Mustafa, porta-voz da Associação de Profissionais Sudaneses, que está à frente dos protestos, confirmou à agência de notícias AP que forças de segurança usaram gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes em Omdurmã e no distrito de Bahri, na capital.

Segundo ele, protestos também ocorreram em Atbara, uma cidade ferroviária ao norte de Cartum e berço da revolta que levou à derrubada de Bashir do poder.

O Comitê de Médicos do Sudão, braço médico da Associação de Profissionais Sudaneses, informou que um manifestante de cerca de 20 anos foi morto a tiros em Atbara. Mais tarde, o órgão comunicou que outros quatro morreram em Omdurmã.

"A morte de quatro mártires na cidade de Omdurmã, no caminho de nossa vitoriosa revolução, eleva o número de mártires a cinco", disse uma nota do comitê. "Há vários gravemente feridos pelas balas das milícias do conselho militar em hospitais da capital e das províncias."

"Os manifestantes eram pacíficos, não levavam nem uma pedra, mas tiveram que enfrentar a repressão e as balas", afirmou, por sua vez, Mohammed Wadaa, um dos líderes das opositoras Forças da Liberdade e da Mudança, à agência Efe.

A Associação de Profissionais Sudaneses convocou os manifestantes a marcharem até o palácio presidencial em Cartum, mas as forças de segurança fecharam as ruas e pontes que levavam ao local. Os organizadores disseram mais tarde que os oficiais impediram a passagem dos marchantes.

O general Mohamed Hamdan Dagalo, vice-chefe do conselho militar, afirmou que a cúpula deseja chegar a um "urgente e abrangente acordo sem exclusão". "Nós no conselho militar somos totalmente neutros. Somos os guardiões da revolução. Não queremos fazer parte da disputa", alegou.

Organizadores falam em dezenas de milhares de manifestantes nas ruas de diferentes cidades do país

Organizadores falam em dezenas de milhares de manifestantes nas ruas de diferentes cidades do país

A situação no Sudão

Omar al-Bashir foi deposto em abril pelos militares, e um conselho militar de transição foi formado para governar o país – o que deixou descontentes os manifestantes que vinham protestando pela saída do então presidente.

Bashir comandava o Sudão com mão de ferro desde 1989, quando deu um golpe de Estado com a ajuda de militantes islamistas. Ele é alvo de dois mandados internacionais de prisão por genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade, emitidos pelo Tribunal Penal Internacional, em Haia, por causa de crimes cometidos em Darfur.

Nessa região do oeste sudanês, 300 mil pessoas foram mortas desde 2003, segundo contagem das Nações Unidas, num conflito que opõe o governo e milícias árabes, de um lado, e rebeldes não árabes separatistas, do outro.

As manifestações contra Bashir foram motivadas pela forte crise econômica que afeta o país há anos – principalmente depois da secessão do Sudão do Sul, em 2011. O Sudão é um dos 25 países mais pobres do mundo, com uma população de 41 milhões de pessoas.

Até a independência do Sudão do Sul, a economia era fortemente dependente do petróleo, que era responsável por 95% das exportações e metade da arrecadação do governo. Em 2001, o Sudão perdeu a maior parte dos campos petrolíferos, que ficaram com o Sudão do Sul.

EK/dw/afp/ap/efe/lusa

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais