Maratona de reuniões entre autoridades europeias define futuro do Chipre | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 24.03.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Maratona de reuniões entre autoridades europeias define futuro do Chipre

Presidente Nikos Anastasiades discute a concessão da ajuda financeira ao país, a fim de evitar o colapso do sistema bancário. Banco Central cipriota impõe limite de 100 euros para saques em caixas eletrônicos.

O presidente cipriota, Nikos Anastasiades, e o ministro das Finanças do país, Michalis Sarris, viajaram a Bruxelas neste domingo (24/03) para participar de reuniões com autoridades europeias e, juntos, tentarem encontrar uma saída para evitar o colapso do sistema bancário do Chipre. Eles discutem as condições do plano alternativo que o país deverá apresentar à União Europeia (UE) para receber a ajuda financeira.

Ao longo do dia, Anastasiades encontrou-se com os presidentes da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, e do Conselho Europeu, Herman van Rompuy. Ele também teve encontros com a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, com o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mário Draghi, e com o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, antes de se reunir com os ministros de Finanças da zona do euro.

Segundo o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, os ministros europeus estão dispostos a conceder o empréstimo de 10 bilhões de euros ao Chipre. Porém, as condições do plano alternativo de Anastasiades devem corresponder às que foram negociadas na semana passada, disse Schäuble.

Na terça-feira passada, o Parlamento do Chipre rejeitou o pacote de resgate europeu, por ser contrário às condições impostas pela UE e pelo FMI. Após essa rejeição, o BCE deu um ultimato ao país – um plano alternativo precisa ser apresentado até segunda-feira (25/03). Caso contrário, a instituição suspenderá a assistência emergencial de liquidez aos bancos cipriotas.

Limite de saque

O novo plano proposto pelo governo de Nicósia ainda precisará ser ratificado pelo Eurogrupo. Uma das condições para a liberação do empréstimo é a criação, pelo governo do Chipre, de um fundo com 5,8 bilhões de euros para a recapitalização de suas instituições bancárias. Sem essa ajuda, os bancos cipriotas podem quebrar. Caso isso aconteça, é possível que o Chipre seja obrigado a deixar a zona do euro.

Neste domingo, o Banco Central do Chipre impôs aos correntistas dos dois maiores bancos do país um limite de saque de 100 euros por dia nos caixas eletrônicos. A medida passa a valer na madrugada de segunda e deve permanecer até a reabertura dos bancos, programada para a próxima terça-feira, ou até a confirmação da liberação do empréstimo da UE.

CN/ap/rtr/dpa
Edição: Mariana Santos

Leia mais