Malta entregará 65 migrantes a outros países da UE | Notícias internacionais e análises | DW | 07.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

União Europeia

Malta entregará 65 migrantes a outros países da UE

Rejeitados pela Itália, passageiros do Alan Kurdi, da ONG Sea-Eye, passarão a navio militar maltês e serão imediatamente transferidos. Ministro do Interior alemão apela para que homólogo Salvini repense sua política.

Navio de resgate Alan Kurdi, da ONG alemã Sea-Eye

Navio de resgate Alan Kurdi, da ONG alemã Sea-Eye

Os 65 migrantes a bordo do navio de resgate Alan Kurdi, de bandeira alemã, desembarcarão em Malta e serão imediatamente colocados num navio militar e transferidos para outros Estados-membros da União Europeia, declarou neste domingo (07/07) o governo do país insular.

Após discutir a situação com a Comissão Europeia e o governo alemão, o primeiro-ministro Joseph Muscat tuitou que nenhum dos resgatados permanecerá em Malta, "uma vez que este caso não estava sob a responsabilidade das autoridades maltesas".

Apenas três passageiros, que sucumbiram ao calor e necessitam atenção médica urgente, serão levados a terra. Segundo a ONG alemã Sea-Eye, a que pertence a embarcação, dois deles são menores. O grupo estava à deriva na costa da Líbia quando foi resgatado.

O ministro do Interior da Alemanha, Horst Seehofer, declarou que seu país acolherá até 40 migrantes, sendo 15 a 20 do Alan Kurdi e os demais de um grupo de 50, salvo no domingo de um naufrágio na zona de busca e resgate marítimo de Malta.

Segundo fontes próximas a Berlim, antes Seehofer enviara uma carta a seu homólogo italiano, Matteo Salvini, pedindo que repense sua política de rejeitar embarcações de resgate. "Não podemos ser responsabilizados se barcos, trazendo a bordo pessoas salvas de naufrágios, ficam esperando semanas no Mediterrâneo, por não encontrarem um porto", escreveu o político conservador alemão.

ONG alemã Sea-Eye salva migrantes em águas líbias

ONG alemã Sea-Eye salvou migrantes em águas líbias

O Alan Kurdi, que fora proibido de adentrar as águas maltesas após ter esperado nas proximidades da ilha italiana de Lampedusa nos últimos dias, é o terceiro barco internacional de resgate a estampar recentemente as manchetes internacionais.

Na manhã deste domingo, os 41 migrantes a bordo do veleiro Alex, pertencente à ONG italiana Mediterranea - Saving Humans, tiveram permissão para desembarcar em Lampedusa, apesar da proibição e ameaças de Salvini.

Segundo os ativistas, a situação higiênico-sanitária a bordo era "intolerável", e, devido ao pequeno porte da embarcação, seria arriscado demais velejar mais 15 horas até Malta, como fora proposto. O capitão do Alex, Tommaso Stella, está sob investigação por supostamente auxiliar a imigração ilegal.

Antes dos incidentes do Alan Kurdi e do Alex, a capitã alemã Carola Rackete atracara em 29 de junho em Lampedusa sem permissão, após passar 17 dias no mar com 40 migrantes, num navio da ONG Sea-Watch, esperando a indicação de um porto.

Detida sob ameaça de pena de prisão, ela foi liberada três dias mais tarde por uma juíza italiana. Agora Rackete acusa Salvini de racista e pretende processá-lo por difamação. "A irresponsabilidade dos países europeus me obrigou a fazer o que fiz", disse numa mensagem aos milhares que protestaram a favor dela na Alemanha, neste sábado.

Em junho, ministro do Interior Matteo Salvini promulgou um decreto prevendo multas de até 50 mil euros ao capitão, proprietário ou operador de uma embarcação que "entre sem permissão nas águas territoriais italianas".

Assim que o Alex chegou a Lampedusa, o político populista de direita anunciou que elevaria a multa a um máximo de 1 milhão de euros. "Não autorizo nenhum desembarque para aqueles que não podiam ligar menos para as leis italianas e auxiliam traficantes de pessoas", tuitou na noite de sábado.

AV/afp,rtr,lusa

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais