Maduro anuncia renovação de seu gabinete | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 05.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Maduro anuncia renovação de seu gabinete

Presidente venezuelano nomeia 11 ministros e aponta um novo vice-presidente executivo, além fundir ministérios da área econômica no "superministério" da Economia e Finanças.

Reforma ministerial visa combinar a experiência com o compromisso, disse Maduro 

Reforma ministerial visa "combinar a experiência com o compromisso", disse Maduro 

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta quarta-feira (05/01) a renovação de seu gabinete, nomeando 11 ministros e um novo vice-presidente. Tareck El Aissami, governador do estado de Aragua, substituirá Aristóbulo Istúriz como vice-presidente executivo do país, potencial sucessor de Maduro.

"Designei Tareck El Aisammi como vice-presidente executivo da República Bolivariana da Venezuela, para que assuma em 2017-2018", disse o presidente em pronunciamento transmitido em cadeia nacional de rádio e televisão.

Entre suas novas atribuições, Aisammi fica encarregado da segurança nacional e da luta contra os "terroristas de direita", como afirmou o presidente. Seu antecessor Istúriz foi transferido para o comando do Ministério das Comunas e Trabalho Social, sendo também vice-presidente da pasta Socialismo Territorial.

Entre as mudanças no gabinete, Maduro nomeou para o Ministério do Petróleo Nelson Martínez, atual presidente da petrolífera Citgo – empresa venezuelana nos EUA, filial da estatal petrolífera PDVSA –,  e fundiu os ministérios da área econômica numa só instituição, o "poderoso" Ministério da Economia e Finanças, que ficará sob o comando do parlamentar chavista Ramón Lobo.

"Necessitamos de uma renovação do gabinete executivo e chamar às fileiras do governo um conjunto de companheiros, de forma que se combine a experiência com o compromisso", disse Maduro. 

Os 11 ministros têm como objetivos principais libertar o país da criminalidade, recuperar a economia, consolidar os programas sociais do governo e garantir a paz. "Não me importa o cargo que tenham [...]. Vamos com tudo contra os criminosos, os corruptos e os extremistas", disse o presidente.

RC/lusa/efe

Leia mais