Macron anuncia para fevereiro vitória contra EI na Síria | Notícias internacionais e análises | DW | 17.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Macron anuncia para fevereiro vitória contra EI na Síria

Chefe de Estado da França diz estimar que o conflito na Síria estará terminado até, no máximo, fim de fevereiro. Cabe dialogar com o líder Assad, mas ele terá que responder por seus crimes, frisou em entrevista à TV.

Presidente francês, Emmanuel Macron: prognóstico otimista para Síria

Presidente francês, Emmanuel Macron: prognóstico otimista para Síria

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse estimar que a guerra na Síria contra o grupo jihadista "Estado Islâmico" (EI) será "ganha até meados ou fim de fevereiro". No entanto "falta falar" com o presidente sírio, Bashar al-Assad.

"Em 9 de dezembro, o primeiro-ministro iraquiano [Haider al-Abadi] anunciou a vitória face ao Daesh [acrônimo árabe do EI], e penso que daqui até meados ou fim de fevereiro teremos vencido a guerra na Síria", declarou Macron, numa entrevista transmitida neste domingo (17/12) pela cadeia de TV France 2.

Macron já declarara alguns dias antes que as operações militares contra o EI prosseguiriam até "meados, fim de fevereiro" na Síria, contradizendo assim a Rússia, segundo a qual o país árabe estaria "totalmente libertado" da organização fundamentalista islâmica.

Irã e Rússia mantêm Assad no poder

O chefe de Estado francês considerou que "falta falar" com Assad. Sua saída imediata é reclamada por vários opositores, no entanto, "Bashar é inimigo do povo sírio; o meu inimigo é o Daesh", sublinhou Macron.

O líder sírio, prosseguiu, "continuará lá, e também continuará lá porque é protegido por aqueles que, no terreno, também ganharam a guerra, seja o Irã, a Rússia". "Por isso não podemos dizer que não queremos falar com ele ou com seus representantes."

Essa conversa que ainda falta, sublinhou, não impedirá que o dirigente sírio, acusado de muitos abusos, seja levado a "responder pelos seus crimes perante seu povo e a Justiça internacional".

"No processo que a França quer ver surgir no início do próximo ano, haverá representantes de Bashar, mas eu desejo também, e sobretudo, que haja representantes de todas as oposições, incluindo aqueles que saíram da Síria pela própria segurança, por causa de Bashar e do Daesh", enfatizou Macron.

Desencadeada em 2011 com a repressão de manifestações pacíficas, a guerra civil na Síria é responsável por mais de 340 mil mortos e milhões de deslocados e refugiados.

AV/lusa,efe,afp,ap

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais