Luta de Temer para impedir queda começa com derrota | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Luta de Temer para impedir queda começa com derrota

Revés vem pelas mãos de um membro do próprio partido do presidente: parecer favorável à denúncia sinaliza mais uma vez que até o PMDB não está unido na luta pela salvação do governo. Planalto intensifica ofensiva.

O presidente Michel Temer: o Planalto passou a apostar em uma estratégia explícita de intervenção na CCJ

O presidente Michel Temer: o Planalto passou a apostar em uma estratégia explícita de intervenção na CCJ

Michel Temer sofreu sua primeira derrota na guerra pela preservação do seu governo. Na segunda-feira (10/07), o deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), relator da denúncia criminal que acusa o presidente de ter cometido crime de corrupção passiva, apresentou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara parecer favorável à continuidade da ação. 

A derrota veio pelas mãos de um membro do próprio partido do presidente. E Zveiter não usou apenas argumentos técnicos para embasar suas conclusões. Seu parecer chegou a rebater diretamente argumentos usados pela defesa preliminar do presidente. Em um trecho, disse que a denúncia "não é inepta" – um adjetivo que havia sido usado pelo próprio presidente após a apresentação da acusação pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. No final, Zveiter disse que a denúncia tem "sólidos indícios de práticas delituosas”.

O tom usado pelo relator, que não era considerado um inimigo declarado do Planalto mesmo sendo uma figura "independente", sinaliza mais uma vez que até o partido do presidente não está unido na luta pela salvação do governo. As conclusões foram apresentadas ao mesmo tempo em que o influente senador Renan Calheiros (PMDB-AL) passou a defender abertamente a saída de Temer.

Intervenção na comissão

Temendo já na semana passada a possibilidade de Zveiter endossar a acusação de Janot, o Planalto passou a apostar em uma estratégia explícita de intervenção na CCJ para neutralizar um eventual parecer desfavorável. Na prática, a comissão – de 66 membros titulares e número equivalente de suplentes – tem apenas o poder de fazer uma recomendação ao plenário. São os 513 deputados da Casa que têm a palavra final sobre a aceitação da denúncia criminal, que pode vir a resultar no afastamento de Temer da Presidência e o início de um julgamento. 

Ainda que tenha peso simbólico, a CCJ é considerada um termômetro para medir qual é a força que o governo ainda conserva na Câmara. Ciente desse fator, Temer e caciques aliados de partidos como o SD, PR e PSD – do chamado "Centrão" da Câmara – promoveram nos últimos dias nada menos que 20 substituições entre membros da CCJ críticos ou que não eram considerados suficientemente leais ao Planalto. Uma nova derrota na CCJ só aumentaria o desgaste do governo. 

A movimentação chegou a gerar cenas constrangedoras. Nesta segunda-feira, o deputado delegado Waldir (PR-GO) foi informado quando já estava em sua cadeira na comissão que havia sido substituído por ordem da direção do partido. Indignado, o deputado fez uma cena para imprensa e disse que sua "vaga foi vendida para o governo". 

A substituição de Waldir foi acertada com Valdemar Costa Neto, o cacique do PR notório por seu envolvimento no escândalo do Mensalão. Fora da cadeia, Valdemar voltou a dar as cartas na legenda. No final, o PR trocou quatro deputados. As substituições ocorreram tão em cima da hora que os novos nomes foram escritos à mão na lista de presença. 

São necessários pelo menos 34 votos para que o Planalto consiga neutralizar o parecer de Zveiter. Com as substituições, o governo espera ter assegurado pelo menos um total de 38 votos. Também seria o suficiente para aprovar um substitutivo. No caso, um novo parecer, desta vez contra a denúncia. 

Balcão de vantagens

Além da movimentação na CCJ, Temer tem redobrado a promessa de empenhar recursos para emendas parlamentares – valores que são pedidos por deputados para uso em seus Estados e bases eleitorais – para assegurar a boa vontade dos deputados no plenário. Pouco depois da divulgação da delação da JBS, Temer já havia empenhado pelo menos 1 bilhão de reais. Nos últimos dias, esse valor subiu para 1,8 bilhão. Além disso, o governo apressou a liberação dos valores – foram 535 milhões de reais só em junho, quase um terço do valor disponibilizado o ano inteiro, que chega a 1,6 bilhão.

O deputado Waldir, o membro do PR substituído na CCJ, disse que o Planalto entrou em contato na semana passada para oferecer valores. "Na quarta-feira da semana passada me ligaram no celular e falaram: 'deputado, foram liberados 3 milhões de reais e qualquer coisa sua. Na quinta-feira, mais 5 milhões de liberação. Presente", disse. "Eu sei que nas últimas semanas, houve um caminhão de liberação de emendas. Não é assim que se faz um governo. O governo acabou. Pega o chapéu e vai embora." 

Temer também tem usado sua agenda para intensificar o corpo a corpo e se reunir com deputados do baixo clero da Câmara, alguns deles sem qualquer expressividade política fora dos seus reduzidos redutos eleitorais. No dia 4 de julho, por exemplo, Temer recebeu 16 deputados em audiências individuais de até 30 minutos. Ministros como Moreira Franco, um dos homens-fortes do governo, também tem adotado o mesmo tipo de agenda para conseguir apoio.

A pressa

O Planalto luta para que o plenário vote o mais rapidamente possível a denúncia de Janot. O ideal para os governista é que a votação já ocorresse na semana que vem, antes do recesso parlamentar. Políticos da oposição, no entanto, tentam protelar a data para depois da pausa, estendendo a sangria do governo até agosto, quando espera-se que o Planalto sofra mais desgaste com "fatos novos" como uma já provável delação do ex-deputado Eduardo Cunha – um antigo aliado de Temer – e a apresentação de novas denúncias. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o primeiro na linha de sucessão da Presidência da República, já expressou que acha difícil realizar a votação ainda este mês. 

O governo também tenta influenciar o regimento da Câmara. Oposicionistas questionaram a Mesa Diretora sobre qual é o número mínimo de deputados que devem estar presentes no plenário para votar a denúncia. O governo entende que apenas 257 são suficientes. Os opositores falam em 342. Para o governo, quanto menos deputados melhor, já que eventuais ausências beneficiam o Planalto. Também é uma saída para que deputados temerosos de votar publicamente a favor do governo explicitem sua posição. O governo precisa de 172 votos a favor e/ou ausências para barrar a denúncia. Já os adversários de Temer precisam de 342.   

Segundo um boletim divulgado na segunda-feira pela consultoria de risco político Eurasia, Temer tem 40% de chance de perder o cargo. Na avaliação do grupo, o resultado da apreciação da denúncia contra Temer por corrupção deve influenciar diretamente nos cálculos dos deputados na eventualidade de que o processo todo tenha que ser repetido após a apresentação de nova ação pela PGR - possivelmente por obstrução à Justiça e/ou organização criminosa.

"Se ele sobreviver, mas com votação apertada, só 200 votos, por exemplo, os parlamentares avaliarão que sua capacidade de sobreviver a uma segunda votação de denúncia terá sido comprometida. Se Temer obtiver entre 220 e 230 votos, que é o que esperamos, isso pode lhe dar a chance de sobreviver a novas votações", concluiu a consultoria. 

Leia mais