Liberais ficam de fora do Bundestag | Todas as informações sobre as eleições na Alemanha em 2017 | DW | 22.09.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleição na Alemanha

Liberais ficam de fora do Bundestag

FDP não supera barreira dos 5% e, pela primeira vez, fica de fora da câmara baixa do Parlamento da Alemanha. Resultado torna impossível continuidade da atual coalizão de governo.

default

Brüderle e Rösler reconhecem a derrota na eleição

Pela primeira vez na sua história, o Partido Liberal Democrático (FDP) não alcançou o percentual mínimo de 5% numa eleição legislativa e ficou de fora do Bundestag (câmara baixa do Parlamento da Alemanha).

Os liberais obtiveram 4,8% dos votos na eleição deste domingo (22/09). É o pior resultado na história do partido e contrasta fortemente com a eleição anterior. Em 2009, o FDP teve 14,6% dos votos, maior votação da sua história.

Assim, a coalizão desejada pela chanceler federal Angela Merkel se torna impossível. Ela queria manter o governo atual, formada pelo seu partido, a União Democrata Cristã (CDU), sua aliada na Baviera, a União Social Cristã (CSU), e o FDP. Analistas dizem que provavelmente Merkel tentará agora uma aliança com o Partido Social-Democrata (SPD).

Campanha fracassada

O resultado joga o FDP na oposição e certamente numa grave crise. A base deve culpar o presidente Philipp Rösler e o candidato Rainer Brüderle pelo mau resultado. É muito provável que Rösler tenha que deixar o cargo. O seu substituto mais provável é Christian Lindner, presidente do partido no estado da Renânia do Norte-Vestfália, o mais populoso da Alemanha.

Nos últimos dias, o FDP havia feito campanha para que os eleitores da CDU, partido de Merkel, votassem também nos liberais. Na Alemanha, isso é possível porque cada eleitor tem direito a dois votos: o primeiro para um deputado, o segundo para um partido.

A esperança do FDP era que, após votarem num deputado da CDU, alguns eleitores apoiassem a legenda no segundo voto. Mas a estratégia não garantiu os votos necessários.

Leia mais