Leipzig desafia o Bayern e se torna seu principal concorrente | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 02.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Halbzeit

Leipzig desafia o Bayern e se torna seu principal concorrente

Finalmente há um desafiador à altura para o time bávaro no Campeonato Alemão. Em ótima fase, o Leipzig teoricamente só depende de si para ser campeão, escreve Gerd Wenzel.

Decorridos dois terços da competição, os comandados de Nagelsmann tem o seu destino em suas próprias mãos

Decorridos dois terços da competição, os comandados de Nagelsmann tem o seu destino em suas próprias mãos

Desde que chegou à Bundesliga, em 2016, o Leipzig não se fez de rogado e deixou bem claro qual passaria a ser o seu principal objetivo. Nada mais, nada menos do que a conquista da almejada Silberschale (Salva de Prata), símbolo maior do título de campeão alemão. Não mediu esforços para alcançar essa meta. Tanto é verdade que logo em seu primeiro ano conseguiu o vice-campeonato, deixando para trás monstros sagrados como Borussia Dortmund, Schalke 04 e Borussia M'Gladbach.

Nas últimas duas temporadas se estabeleceu definitivamente no G4. Em ambas ficou na terceira posição e mais uma vez à frente de clubes tradicionalistas como, por exemplo, o centenário Bayer Leverkusen. Nada mal para um novato atrevido recém-chegado cuja ousadia não apenas em campo, mas também na forma inusitada da gestão financeira do clube, causaram espanto e, em alguns casos, até críticas severas por parte de cartolas conservadores de outros clubes.

Leipzig é uma cidade importante para quem quer entender um pouco o futebol alemão. Foi nessa cidade que, em janeiro de 1900, representantes de 86 clubes amadores se reuniram no restaurante "Zum Mariengarten” para transformar os jogos de várzea da molecada num campeonato nacional organizado. Para tanto fundaram a Federação Alemã de Futebol (DFB) e, em 1902/1903, foi realizada a primeira temporada da competição na qual, ao final, o VfB Leipzig se tornaria campeão. Mais dois títulos foram conquistados pelo Leipzig, em 1906 e 1913.

Mais de cem anos se passaram e, repentinamente, num espaço relativamente curto de tempo, a cidade de Leipzig está podendo contar com um time que neste ano reúne condições para lançar o desafio maior ao maior campeão alemão de todos os tempos.

Com o jovem técnico Julian Nagelsmann no comando, foi formada uma equipe altamente competitiva para finalmente haver um concorrente à altura do Super Bayern. Já na temporada passada o RB Leipzig chegou perto. Foi campeão de inverno, mas com as incertezas da pandemia acabou caindo de produção e terminou em terceiro lugar.

Na atual temporada, porém, as coisas parecem se encaminhar para uma disputa cabeça à cabeça até a reta final do campeonato. O Bayern tropeçou recentemente em duas partidas, e uma vantagem de sete pontos sobre o Leipzig ficou reduzida a apenas dois pontos. A conclusão óbvia é que, decorridos dois terços da competição, os comandados de Nagelsmann tem o seu destino em suas próprias mãos: começos de abril vão receber a visita do Bayern em sua própria casa, na bela Red Bull Arena.

Um jargão no futebol reza que ataques ganham jogos e defesas ganham campeonatos. Se esse dito popular for mesmo verdadeiro, o Leipzig já sai na frente porque ostenta uma excelente defesa – sofreu apenas 20 gols em 23 jogos enquanto que a do Bayern já amargou 32 gols contra. No quesito criação de oportunidades claras de gol está parelho com o líder perdendo, porém, no fator ofensivo. Marcou apenas 43 gols enquanto o Bayern já anotou 67. Apenas Robert Lewandowski já visitou o fundo das redes adversárias em 28 oportunidades e está prestes a bater o recorde de Gerd Müller. O lendário atacante foi o único até agora de alcançar a marca de 40 gols marcados numa única temporada.

Resta ainda o fator Julian Nagelsmann. Ele poderá fazer a diferença? Taticamente versátil, Nagelsmann soube conquistar o vestiário, um aspecto nada desprezível que pode determinar o sucesso ou o fracasso de uma equipe. Sua comunicação com os jogadores também é facilitada por ter apenas 33 anos de idade e ser praticamente da mesma geração dos seus comandados. 

Angeliño, ex-Manchester City e um dos principais protagonistas do time do Leipzig,  não hesita: "Vim jogar no Leipzig por causa do Julian. Ele é direto e tem uma excelente relação com todos os jogadores. Ele nos transmite muita confiança e nos torna melhores profissionais, além de intervir diretamente em nossa forma de jogar durante uma partida”.

A sorte está lançada. Bayern ou Leipzig? Não há resposta fácil como em temporadas anteriores, mas que há um desafiante à espreita desta vez, isso há.

---


Gerd Wenzel começou no jornalismo esportivo em 1991 na TV Cultura de São Paulo, quando pela primeira vez foi exibida a Bundesliga no Brasil. Atuou nos canais ESPN como especialista em futebol alemão de 2002 a 2020, quando passou a comentar os jogos da Bundesliga para a OneFootball de Berlim. Semanalmente, às quintas, produz o Podcast "Bundesliga no Ar". A coluna Halbzeit sai às terças. 

Leia mais