Líderes mundiais lamentam morte de Hugo Chávez | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 06.03.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Líderes mundiais lamentam morte de Hugo Chávez

Principalmente os aliados, como Cuba e o Irã, expressaram seu pesar com a morte do presidente venezuelano. EUA falam em novo capítulo na história da Venezuela.

Ao redor do mundo, líderes de diversas nações expressaram seu pesar com a morte do presidente venezuelano, Hugo Chávez, anunciada nesta terça-feira (05/03).

O governo da China afirmou que Chávez era um "grande amigo do povo chinês" e prometeu manter os laços com o país sul-americano, fortalecidos durante o governo chavista. O presidente Hu Jintao e seu sucessor, Xi Jinping, enviaram mensagens pessoais de condolências ao vice-presidente Nicolás Maduro.

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, homenageou Chávez, elevando-o à condição de "mártir" e de "símbolo da resistência ao imperialismo, defensor dos valores humanos e revolucionários". Ahmadinejad qualificou a doença de Chaves de "suspeita" e afirmou, em mensagem de condolências a Maduro, que seu colega "deu sua vida pelo seu país e pela liberdade do povo venezuelano".

Repercussão na Europa

Venezuelas Staatschef Chavez trifft Irans Präsidenten Ahmadinedschad

Hugo Chávez e Mahmoud Ahmadinejad

"Um homem forte e extraordinário", afirmou o presidente da Rússia, Vladimir Putin, sobre seu colega venezuelano. "Ele sempre exigia o máximo de si mesmo", observou o presidente russo em telegrama de condolências, agradecendo Chávez por solidificar as relações entre Moscou e Caracas.

O ministro do Exterior da Alemanha, Guido Westerwelle, disse que a morte de Chávez é um profunda ruptura para a Venezuela. "Sentimos muito pela dor da família e pela tristeza do povo venezuelano", afirmou o ministro nesta quarta-feira em Berlim. "Tenho confiança que, após o luto, haverá o nascer de uma nova era", afirmou Westerwelle, ressaltando que o país tem um enorme potencial que deve ser explorado por meio da democracia e da liberdade.

O presidente da França, François Hollande, fez elogios à "determinação do líder venezuelano na luta por justiça", ressaltando que Chávez "marcou profundamente a história de seu país".

O secretário britânico do Exterior, William Hague, afirmou estar entristecido pela morte, e disse que o líder venezuelano deixou uma "marca permanente" no povo da Venezuela.

América Latina de luto

Na América Latina, líderes e aliados enviaram seus sentimentos ao povo venezuelano e prestaram homenagens a Chávez.

O governo cubano declarou três dias de luto oficial em homenagem ao seu aliado mais próximo e maior benfeitor na região. Em pronunciamento oficial pela televisão estatal, o governo afirmou que "Chávez, como um verdadeiro filho, permaneceu fiel a Fidel Castro ".

Zum Tod von Hugo Chavez Venezuela SW

Hugo Chávez era próximo a Fidel Castro e seu governo apoiou a economia cubana

O presidente boliviano, Evo Morales, cujas prioridades políticas e estilo de liderança seguem a cartilha chavista, afirmou estar "arrasado" com a morte de seu amigo e que irá à Venezuela para prestar suas condolências.

Outro grande aliado de Chávez, o presidente do Equador, Rafael Correa, considerou a morte do venezuelano uma "perda irreparável" para a América Latina. "Perdemos um grande revolucionário. Ficam, porém, milhões inspirados por seu exemplo", disse Correa, e adicionou que "a história reconhecerá a grandeza de um homem extraordinário". Seu governo decretou três dias de luto oficial.

Assim como Correa, o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, também considerou a morte de Chávez "uma grande perda para a Venezuela e para o continente".

Na Argentina, a presidente Cristina Kirchner também decretou luto oficial por três dias, mas não se manifestou publicamente. O vice-presidente argentino Amado Boudou disse na rede social Twitter que "toda a América Latina está de luto" e confirmou que a presidente teria se disposto a viajar a Caracas o quanto antes.

O presidente uruguaio, José Mujica, aliado político e amigo pessoal de Chávez, declarou que "a morte sempre causa tristeza, mas quando se trata de alguém que combateu na linha de frente, alguém a quem me referi como 'o líder mais generoso que já encontrei', a dor é mais profunda".

Moderação norte-americana

Barack Obama und Hugo Chavez in Trinidad

Barack Obama e Hugo Chávez: relações nem sempre tranquilas

Enquanto os líderes latino-americanos fizeram homenagens emocionadas, o governo dos Estados Unidos reagiu com certa moderação à morte de um de seus principais adversários políticos.
 
O presidente Barack Obama expressou o desejo de melhorar as relações entre os dois países. "Os EUA reafirmam seu apoio ao povo venezuelano, com total  interesse em desenvolver um relacionamento construtivo com o governo do país", afirmou Obama em nota oficial. "No momento em que a Venezuela inaugura um novo capítulo de sua história, os EUA reforçam o compromisso com políticas que promovam princípios democráticos, o Estado de Direito e os direitos humanos".

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, elogiou o trabalho de Chávez em prol dos mais pobres e seu apoio ao processo de paz na Colômbia. "Ele representava os desafios e aspirações dos mais necessitados."

RC/afp/dpa/epd
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais