1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Deutschland Flut l Gottesdienst und Gedenkzeremonie für Opfer der Flutkatastrophe l Steinmeier u Merkel
Merkel e o presidente Frank-Walter Steinmeier durante cerimônia na Catedral de AachenFoto: picture alliance/dpa/dpa-Pool
SociedadeAlemanha

Líderes alemães relembram vítimas de enchente

28 de agosto de 2021

Ao lado de parentes de vítimas, presidente alemão afirma que desastre que deixou mais de 180 mortes é um lembrete de que o país precisa se preparar melhor para crises. Políticos agradeceram equipes de emergência.

https://www.dw.com/pt-br/l%C3%ADderes-alem%C3%A3es-participam-de-missa-em-mem%C3%B3ria-a-v%C3%ADtimas-de-enchente/a-59013997

O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, a chanceler federal Angela Merkel, e o presidente do Parlamento Alemão, Wolfgang Schäuble, participaram neste sábado (28/08) de uma cerimônia em memória das mais de 180 pessoas que perderam a vida nas devastadoras enchentes de julho no oeste no país.

Falando em uma missa na catedral de Aachen, no oeste do país, o presidente disse que o desastre é uma evidência de que a Alemanha deve fazer o possível para combater a mudança climática.

Ao lado de parentes e amigos das vítimas, Steinmeier lembrou como as águas varreram tudo: "Pessoas, casas, pontes, estradas, escolas, prefeituras, igrejas, cemitérios."

"Nossos pensamentos estão com as pessoas que perderam tudo nas enchentes: suas casas, seus pertences, suas memórias, seus sonhos de vida", disse o presidente.

Segundo Steinmeier, o desastre pegou a Alemanha de surpresa em um momento "quando esperávamos que finalmente conseguiríamos controlar a pandemia - mas então aconteceu um novo desastre".

Ele ainda expressou suas mais profundas condolências às pessoas que perderam entes queridos na Alemanha e nos países vizinhos. "Estamos de luto com vocês hoje", disse.

A Alemanha foi o país mais atingida pelas enchentes, mas dezenas também morreram na Bélgica e milhares foram forçados a fugir de suas casas na Holanda. Partes da França, Luxemburgo e Suíça também foram gravemente afetadas.

Steinmeier também afirmou que "que talvez tenhamos nos iludido com uma falsa sensação de segurança", em referência ao fato de que desastres naturais dessa escala tenham sido raros na Alemanha nas últimas décadas.

BdTD Altenahr | Wochen nach Flutkatastrophe
Devastação causada pelas águas do rio Ahr no oeste da AlemanhaFoto: INA FASSBENDER/AFP

Ele também alertou que a pandemia do coronavírus é um lembrete que a Alemanha não pode "simplesmente voltar a agir como se as coisas estivessem normais"

"Precisamos aprender lições com essa experiência de duplo desastre e nos preparar melhor para crises futuras", afirmou.

De acordo com Steinmeier, as lições devem incluir o combate às mudanças climáticas com toda determinação. O presidente ainda afirmou que está claro que as mudanças têm atingido a Europa, mencionando ainda os incêndios florestais na costa do Mediterrâneo.

O presidente alemão também expressou sua gratidão aos trabalhadores de serviços de emergência.

"Vislumbre de esperança"

Além de Steinmeier, a cerimônia contou com falas dos trabalhadores de emergência e sobreviventes do desastre.

Renate Steffes, moradora da cidade de Bad Neuenahr-Ahrweiler, disse que sua vida foi "abalada" pelas "experiências horríveis" das enchentes. A cidade fica numa das regiões mais atingidas pelas enchentes no oeste da Alemanha.

"Quase não existem palavras que possam começar a descrever como os eventos da noite de 14 a 15 de julho foram para mim", disse ela.

O bispo católico Georg Bätzing, presidente da Conferência Episcopal Alemã, disse que viu "um vislumbre de esperança" depois que tantas pessoas ofereceram ajuda às comunidades e indivíduos afetados.

Deutschland Flut l Gottesdienst und Gedenkzeremonie für Opfer der Flutkatastrophe l Steinmeier
"Precisamos aprender lições com essa experiência de duplo desastre e nos preparar melhor para crises futuras", disse Steinmeier.Foto: Oliver Berg/dpa/picture alliance

"Leva tempo para que as experiências diminuam de intensidade, para que as perdas e lesões sejam cicatrizadas", disse ele. "O luto por aqueles que perdemos leva tempo e é necessária uma quantidade incrível de força para reconstruir e começar de novo."

Os governadores dos dois estados alemães mais afetados pelas enchentes também estiveram presentes - o premiê estadual da Renânia-Palatinado, Malu Dreyer, e seu homólogo da Renânia do Norte-Vestefália, Armin Laschet.

Laschet, que é o candidato da União Democrata-Cristã (CDU) para suceder Merkel nas eleições federais do mês que vem, recebeu críticas após as enchentes, seja pelo que foi encarado como falta de liderança quanto por gafes. Dias após as enchentes, ele foi flagrado em frente às câmeras rindo ao fundo enquanto Steinmeier falava à imprensa durante uma visita a uma área afetada.

No início deste mês, os líderes federais e estaduais concordaram com um fundo de reconstrução de € 30 bilhões para as regiões atingidas.

jps (dpa, AFP, KNA, AP)