Líder do Partido Brexit não vai disputar eleição britânica | Notícias internacionais e análises | DW | 03.11.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Reino Unido

Líder do Partido Brexit não vai disputar eleição britânica

Nigel Farage diz que fará campanha em todo o Reino Unido contra o acordo de separação da União Europeia costurado pelo premiê Boris Johnson. Candidatura de Farage poderia dividir o voto dos partidários do Brexit.

Farage fundou o Partido Brexit no início deste ano

Farage fundou o Partido Brexit no início deste ano

Nigel Farage, líder do Partido Brexit, afirmou neste domingo (03/11) que não vai participar das eleições britânicas marcadas para 12 de dezembro, optando por fazer campanha em todo o país contra o acordo de separação da União Europeia costurado pelo primeiro-ministro Boris Johnson.

"Refleti muito: como eu sirvo melhor à causa do Brexit?", disse Farage no programa Andrew Marr Show, da emissora BBC. "Tento ser eleito para o Parlamento ou será que sirvo melhor à causa percorrendo toda a extensão do Reino Unido, apoiando 600 candidatos? Decidi que a última opção é a melhor."

Farage, um ativista anti-UE que disputou o Parlamento sem sucesso por sete vezes, fundou o Partido Brexit no início deste ano. A legenda, que foi a mais votada nas eleições europeias, em maio, com 31,6% dos votos, ainda não tem assento na Câmara dos Comuns.

Seu anúncio nesta semana de que o partido disputaria a eleição em 12 de dezembro foi visto como um possível revés para Johnson.

A candidatura de Farage poderia dividir o voto dos partidários do Brexit em uma eleição que, mais uma vez, colocará de um lado aqueles que querem deixar a UE contra os que querem ficar, mais de três anos depois de o Reino Unido ter votado pela saída do bloco em um referendo.

Anteriormente, Farage liderou o Partido da Independência do Reino Unido (Ukip). A ameaça de dividir os votos dos conservadores teve um papel importante em convencer o então primeiro-ministro David Cameron a realizar o referendo de 2016.

Johnson, que quer ganhar um novo mandato para aprovar seu acordo de separação do bloco, disse que descartou um pacto com todos os outros partidos porque isso tornaria mais provável que o líder trabalhista da oposição Jeremy Corbyn se transformasse em primeiro-ministro.

Os conservadores de Johnson estão liderando as pesquisas, mas, com o país ainda fortemente dividido sobre o Brexit, o resultado é altamente imprevisível.

O Brexit está marcado para 31 de janeiro, depois de a União Europeia ter concordado com um novo adiamento na segunda-feira. O acordo, contudo, oferece a Londres a possibilidade de abandonar o bloco comunitário antes dessa data, caso o Parlamento britânico ratifique o acordo de saída.

Para desbloquear o impasse político no Parlamento britânico – que votou três vezes contra um acordo negociado por Theresa May e recusou aprovar em três dias o acordo negociado por Boris Johnson, inviabilizando assim a saída no final de outubro –, foi aprovada na terça-feira a realização de eleições legislativas antecipadas a 12 de dezembro.

Quando os eleitores britânicos forem às urnas em cerca de cinco semanas, dois anos e meio antes do previsto, isso marcará a terceira eleição geral em quatro anos no Reino Unido, e a primeira a ser realizada em um mês de dezembro no país desde 1923.

FC/rtr/afp/lusa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais