Justiça do Rio autoriza apreensão de obras com temática LGBT | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 07.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Justiça do Rio autoriza apreensão de obras com temática LGBT

Em nova decisão, tribunal atende a recurso da prefeitura e permite recolhimento de literatura infantojuvenil que ilustre homossexualidade e não esteja lacrada e avise sobre conteúdo. Bienal diz que vai recorrer ao STF.

Bienal do Livro do Rio

Bienal do Livro do Rio é um dos maiores eventos literários do Brasil

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro suspendeu neste sábado (07/09) uma decisão proferida na véspera pelo mesmo órgão que impedia a prefeitura carioca de apreender livros na Bienal.

O presidente da corte, Claudio de Mello Tavares, acatou um pedido feito pela prefeitura do Rio para permitir o recolhimento de obras que ilustrem o tema da homossexualidade "de maneira desavisada" para crianças e jovens.

Com a decisão, os expositores da Bienal do Livro só podem comercializar essas obras em embalagens lacradas e que contenham "advertência sobre seu conteúdo". Se a determinação não for cumprida, títulos que não seguirem essas regras poderão ser apreendidos, e a licença para a feira, cassada.

A Bienal do Livro informou que vai recorrer da decisão no Supremo Tribunal Federal (STF), "a fim de garantir o pleno funcionamento do evento e o direito dos expositores de comercializar obras literárias sobre as mais diversas temáticas – como prevê a legislação brasileira".

A polêmica começou na quinta-feira, quando o prefeito Marcelo Crivella anunciou que pretendia censurar a HQ Vingadores - A cruzada das crianças, que estava sendo vendida em estandes no local. Em vídeo, ele afirmou que havia determinado o recolhimento da obra porque ela trazia "conteúdo sexual para menores".

No entanto, o conteúdo denunciado por Crivella – que é bispo da neopentecostal Igreja Universal do Reino de Deus – não passava de uma ilustração isolada com dois homens se beijando, completamente vestidos, em meio a dezenas de páginas da história.

Os organizadores do evento responderam que não pretendiam recolher ou embalar os exemplares, argumentando que o conteúdo não é impróprio nem pornográfico. Segundo eles, os exemplares já estavam lacrados com plástico transparente, como é padrão para esse tipo de HQ, e, portanto, não estavam abertos para que qualquer membro do público pudesse folhear as páginas.

Na sexta-feira, fiscais da prefeitura foram enviados à Bienal. O subsecretário de operações da Secretaria de Ordem Pública do Rio, coronel Wolney Dias, disse que pretendia "apreender material" que não seguisse as "recomendações de estar lacrado e com a orientação quanto ao conteúdo".

No entanto, segundo a organização, já não havia mais exemplares da HQ que pudessem correr o risco de apreensão, já que todo o material foi vendido nos primeiros minutos após a abertura da Bienal na sexta-feira, diante da repercussão da censura promovida pelo prefeito.

Os fiscais visitaram alguns estandes, folhearam alguns títulos, mas deixaram o local cerca de duas horas depois, sem apreender qualquer material. Questionado se havia encontrado algo, Dias respondeu: "Muitos livros."

Ainda na sexta-feira, a organização da Bienal pediu um mandado de segurança preventivo à Justiça do Rio para garantir o funcionamento do evento e o direito dos vendedores de comercializar obras sem correr o risco de recolhimento.

A decisão saiu na mesma tarde, e o desembargador Heleno Ribeiro Pereira Nunes, da 5ª Câmara Cível, concedeu uma liminar impedindo a prefeitura carioca de apreender livros na Bienal ou cassar o alvará da feira.

A determinação deste sábado do presidente do Tribunal de Justiça suspende o mandado de segurança emitido por Nunes. O texto da nova decisão nega que se trate de um "ato de censura".

Segundo o desembargador Mello Tavares, não é adequado que uma HQ de super-heróis voltada para crianças e adolescentes apresente temática homossexual sem que os pais sejam alertados.

O pedido feito à Justiça pela prefeitura do Rio argumentava que obras que ilustram temas LGBT atentam contra o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O estatuto, contudo, não menciona homossexualidade em sua legislação.

"Revistas e publicações destinadas ao público infantojuvenil não poderão conter ilustrações, fotografias, legendas, crônicas ou anúncios de bebidas alcoólicas, tabaco, armas e munições, e deverão respeitar os valores éticos e sociais da pessoa e da família", escreve o ECA.

Com a decisão do Tribunal de Justiça do Rio, fiscais da Secretaria de Ordem Pública da prefeitura carioca chegaram à Bienal no fim da tarde deste sábado.

Nas redes sociais, várias pessoas denunciaram o caso como censura e acusaram o prefeito Crivella de homofobia. Uma série de editoras do país, entre elas a Companhia das Letras e o Grupo Editorial Record, bem como escritores e a OAB-RJ também repudiaram a atitude da prefeitura.

EK/abr/ots

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter