Justiça do Peru decreta prisão de Keiko Fujimori no caso Odebrecht | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 29.01.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Justiça do Peru decreta prisão de Keiko Fujimori no caso Odebrecht

Juiz ordena detenção preventiva de filha de ex-presidente por 15 meses devido a risco de fuga e interferência na investigação. Ela é acusada de comandar esquema de lavagem de dinheiro.

Keiko Fujimori saiu detida no tribunal em Lima

Keiko Fujimori saiu detida no tribunal em Lima

A Justiça do Peru voltou a decretar nesta terça-feira (28/01) a prisão preventiva da líder da oposição, Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, acusada de liderar um esquema de corrupção do partido Força Popular com a empreiteira brasileira Odebrecht.

"Determino a prisão preventiva da investigada por 15 meses", declarou o juiz Víctor Zúñiga, depois de apresentar os argumentos de sua decisão numa audiência que durou 10 horas. O magistrado afirmou que a prisão preventiva é uma medida adequada e necessária.

Ao justificar a decisão, Zúñiga argumentou que há risco de Fujimori fugir do país e afirmou que ela estaria obstruindo a Justiça.

Minutos antes da decisão, Fujimori entrou no tribunal acompanhada pelo marido, Mark Vito. A líder opositora de 44 anos foi detida ainda no local. De lá, ela será levada para uma penitenciária feminina em Chorrillos.

A defesa de Fujimori pretende recorrer da decisão. O Ministério Público do Peru havia solicitado a prisão preventiva por 18 meses.

Fujimori já havia passado 13 meses na prisão. Acusada de interferir nas investigações da promotoria sobre o escândalo da Odebrecht, Fujimori fora presa preventivamente em 31 de outubro de 2018. Diretores da empreiteira confessaram ter distribuído ilegalmente milhões de dólares a políticos peruanos, incluindo quatro ex-presidentes.

Em novembro do ano passado, o Tribunal Constitucional do Peru concedeu um habeas corpus à líder opositora. Os promotores apelaram então desta decisão.

A filha do ex-presidente e seu marido são investigados por lavagem de dinheiro por doações recebidas em campanhas eleitorais em 2011 e 2016. Num financiamento irregular, a Odebrecht teria repassado 1 milhão de dólares para a campanha de 2011 em troca de favorecimento na contratação para a execução de obras públicas.

O partido teria financiado ainda campanhas com supostos coquetéis, nos quais seus apoiadores pagavam quantias elevadas para participar da festa.

Tanto o ex-presidente da construtora brasileira Marcelo Odebrecht como seu ex-representante no Peru, Jorge Barata, disseram aos promotores peruanos que a empresa forneceu recursos para a campanha de Keiko Fujimori.

A líder do Força Popular nega as acusações da Justiça peruana. Se condenada, ela pode receber uma pena de 10 a 16 anos de prisão. 

CN/afp/efe/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais