Justiça alemã acusa sírio de observar alvos para atentados em Berlim | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 10.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Justiça alemã acusa sírio de observar alvos para atentados em Berlim

Jovem, de 19 anos, detido em março, seria integrante do "Estado Islâmico" e recolheu informações sobre movimentação no Portão de Brandemburgo, no Parlamento alemão e na Alexanderplatz.

Portão de Brandemburgo era um dos pontos de observação de sírio

Portão de Brandemburgo era um dos pontos de observação de sírio

A Corte Federal de Justiça da Alemanha afirmou nesta quinta-feira (10/11) que um sírio detido sob suspeita de terrorismo reuniu informações em Berlim sobre o Portão de Brandemburgo, o Parlamento alemão e a Alexanderplatz para possíveis atentados. Os dados recolhidos eram repassados por telefone a um integrante do grupo extremista "Estado Islâmico" (EI).

Segundo as autoridades, Shaas Al-M., de 19 anos, recolhia informações sobre quantas pessoas e ônibus de turismo passavam por esses locais e os horários desta movimentação. O sírio observou os alvos de possíveis ataques terroristas até fevereiro de 2016, quando passou os dados da sua investigação para um contato do EI na Síria.

O suspeito foi detido em março, em Potsdam, e continua preso. A justiça prolongou nesta quinta-feira sua prisão por mais três meses. Ele é acusado de ser membro do "Estado Islâmico" desde 2013 e ter combatido com os terroristas na Síria. De acordo com os investigadores, nesse período, o sírio participou do cerco a uma cidade e a um aeroporto.

Em agosto de 2015, ele chegou à Alemanha como refugiado, onde continuou mantendo contato com os jihadistas. A partir de janeiro deste ano, ele expressava o desejo de voltar à Síria para combater com o EI.

No começo de março, ele recrutou um integrante do "Estado Islâmico" para realizar um atentado terrorista na Europa. Segundo investigadores, o sírio teria também se disposto a ser o contato do recruta e ainda conduzir ele mesmo um ataque na Alemanha.

CN/rtr/afp/dpa

 

Leia mais