Juncker apresenta propostas para futuro da União Europeia | Notícias internacionais e análises | DW | 01.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

União Europeia

Juncker apresenta propostas para futuro da União Europeia

Depois de anos de crise política, presidente da Comissão Europeia formula cinco caminhos para a unidade do bloco e pede que países-membros escrevam um novo capítulo na história após o Brexit.

Juncker já excluiu o Reino Unido em propostas

Juncker já excluiu o Reino Unido em propostas

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou nesta quarta-feira (01/03) que chegou o momento dos 27 países integrantes da União Europeia (UE), já excluindo o Reino Unido, se tornarem pioneiros na conquista de um novo futuro para o bloco.

A declaração foi feita durante a apresentação ao Parlamento Europeu de um plano que traça cinco cenários para o debate sobre o futuro da UE. O evento ocorreu apenas algumas semanas antes do Reino Unido ativar o artigo 50 do Tratado de Lisboa, que iniciará seu processo de saída do bloco.

O líder do executivo europeu salientou que a UE enfrentará "grandes desafios, mas que não são impossíveis de ultrapassar".  Juncker disse que por mais doloroso que o Brexit seja, o processo não impedirá a União Europeia de se mover em direção ao futuro.

O presidente da Comissão apresentou ainda "cinco caminhos" para a unidade que deverão ser analisados por líderes europeus durante uma cúpula especial em 25 de março, em Roma, que celebrará o aniversário de 60 anos do acordo de criação do bloco.

As propostas de Juncker vão desde reduzir a UE a um mercado comum até criar uma Europa de velocidades múltiplas, na qual países com a mesma opinião possam avançar com os planos mesmo quando outros discordam. Outra opção prevê o recuo de Bruxelas em várias áreas, como desenvolvimento regional, saúde, emprego e políticas sociais.

Como alternativa, há ainda a manutenção do status quo do bloco, com progressos limitados para o fortalecimento da moeda comum e a cooperação de defesa. O quinto caminho prevê uma abordagem mais federalista que, segundo Juncker, dividirá mais poder, recursos e decisões.

Durante o discurso, Juncker condenou os ataques permanentes de políticos populistas à Bruxelas e destacou que a União Europeia não é responsável pelos problemas de cada país. O presidente reconheceu, porém, que o bloco é colocado frequentemente num pedestal e também falhou no cumprimentos de algumas promessas ambiciosas, como diminuir as altas taxas de desemprego.

"Seja qual for a nossa escolha, o destino da Europa está nas nossas mãos. Nossa tarefa é dizer claramente o que a UE pode e não pode fazer", acrescentou Juncker, pedindo para que os líderes europeus respondam as sugestões até o fim deste ano.

CN/lusa/ap/afp/rtr/dpa

Leia mais