Joe Biden reconhece genocídio armênio ocorrido na 1ª Guerra Mundial | Notícias internacionais e análises | DW | 24.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Joe Biden reconhece genocídio armênio ocorrido na 1ª Guerra Mundial

É a primeira vez que um presidente americano usa o termo para se referir ao extermínio de 1,5 milhão de armênios pelo Império Otomano. Turquia reage e define a iniciativa como "oportunismo político".

Pessoas carregando tochas em direcao a memorial do genocidio

Anúncio foi feito no Dia da Memória do Genocídio, em que armênios de todo o mundo relembram o massacre

O presidente Joe Biden afirmou em um comunicado neste sábado (24/04) que os Estados Unidos reconhecem o extermínio em massa de cerca de 1,5 milhão de armênios pelo Império Otomano em 1915, ocorrido durante a Primeira Guerra Mundial, como um genocídio.

"Lembramos as vidas de todos os que morreram no genocídio armênio na era otomana e reiteramos nosso compromisso de evitar que uma atrocidade como essa ocorra novamente", ele disse. "E lembramos para que sigamos sempre alertas contra a influência corrosiva do ódio em todas as suas formas."

O anúncio foi feito no Dia da Memória do Genocídio, em que armênios de todo o mundo relembram o ocorrido.

O genocídio armênio é reconhecido por historiadores e diversos países, incluindo Alemanha, França e Itália, além da Igreja Católica, as Nações Unidas e o Parlamento Europeu. Em 2015, o Senado brasileiro aprovou uma resolução reconhecendo o uso do termo genocídio para o massacre.

O governo da Turquia admite que o Império Otomano, que lutou na Primeira Guerra Mundial ao lado da Alemanha e do Império Austro-Húngaro, cometeu massacres contra a população armênia, mas nega que o episódio possa ser classificado como genocídio, pois o termo não seria utilizado na época.

O conceito de "genocídio" foi definido pela ONU em 1948 como atos cometidos com a intenção de destruir, total ou parcialmente, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso.

Reação da Turquia

Minutos após a declaração de Biden, a Turquia respondeu que rejeita "em sua totalidade" o uso do termo genocídio para se referir ao massacre de armênios durante a Primeira Guerra Mundial.

"Não temos nada a aprender de ninguém sobre o nosso próprio passado. Oportunismo político é a maior traição à paz e à justiça", escreveu no Twitter o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu. "Rejeitamos inteiramente esse comunicado [de Biden] baseado somente no populismo".

Em seguida, o porta-voz presidencial da Turquia, Ibrahim Kalin, sugeriu a Biden olhar para a história americana recente antes de criticar outros países.

"Condenamos com firmeza e rejeitamos as afirmações do presidente dos EUA, que somente repetem acusações daqueles cuja única agenda é a inimizade com o nosso país", disse Kalin. "Recomendamos ao presidente dos EUA que olhe para o seu próprio passado e presente [de seu país]."

Pessoas ao redor de flores em um memorial

Neste sábado, armênios foram a memorial em homenagem às vítimas do genocídio em Erevã

Decisão americana

A Câmara dos Deputados dos EUA já havia aprovado, em outubro de 2019, uma resolução que reconhece como genocídio o massacre de armênios por otomanos.

Cerca de dois meses depois, o Senado americano também aprovou, por unanimidade, uma moção reconhecendo o genocídio, o que levou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, a ameaçar fechar a base aérea americana de Incirlik, localizada no sul da Turquia.

Nenhum presidente americano, porém, havia usado o termo até este sábado para se referir ao massacre dos armênios. A chefe da sucursal da DW em Washington, Ines Pohl, observou que os antecessores de Biden não classificavam o ocorrido como genocídio para evitar "danificar os vínculos com a Turquia, um aliado importante na região".

A declaração de Biden cumpre uma de suas promessas de campanha, de que ele descreveria os assassinatos como uma tentativa deliberada de exterminar o povo armênio. Mas a iniciativa pode provocar problemas nas relações entre os Estados Unidos e o governo da Turquia, que é membro da Otan.

Estima-se que vivam nos EUA entre 500 mil e 1,5 milhões de pessoas com origens armênias, como a celebridade Kim Kardashian.

Posição da Armênia

Os armênios há muito tempo referem-se aos assassinatos em massa ocorridos durante a Primeira Guerra Mundial como um genocídio.

O primeiro-ministro da Armênia, Nikol Pashinyan, escreveu um texto no Facebook agradecendo a Biden "pelo passo poderoso na direção da justiça e o apoio inestimável para os descendentes das vítimas do genocídio armênio".

Neste sábado, diversos armênios caminharam até um memorial em homenagem às vítimas do genocídio localizado no cume de um morro na capital Erevã.

Em um discurso no memorial antes de Biden ter divulgado o seu comunicado, o vice-ministro armênio das Relações Exteriores, Avet Adonts, disse que o uso do termo genocídio por um presidente americano "serviria de exemplo para o resto do mundo civilizado".

bl (DW, AFP, AP)