Israel pune palestinos com congelamento de verbas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.01.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Israel pune palestinos com congelamento de verbas

Retenção de quase 130 milhões de dólares é retaliação por iniciativa do presidente Abbas para adesão ao TPI. Aceitação possibilitará a palestinos abertura de inquéritos contra israelenses por crimes contra a humanidade.

default

Mahmud Abbas, presidente da ANP

Em reação aos esforços da Autoridade Nacional Palestina (ANP) para aderir ao Tribunal Penal Internacional (TPI), o governo israelense congelou neste sábado (03/01) o equivalente a 127 milhões de dólares em impostos arrecadados, que caberiam aos palestinos.

Segundo um representante de Israel, a suspensão da transferência de verbas é uma primeira medida punitiva pela iniciativa da entidade liderada pelo presidente Mahmud Abbas de aderir à organização jurídica internacional. A soma se refere a impostos de valor agregado (IVA) e taxas aduaneiras sobre mercadorias que entraram em Israel com destino aos territórios palestinos na Faixa de Gaza e Cisjordânia.

Na véspera, os palestinos apresentaram à Organização das Nações Unidas seu pedido oficial de adesão ao órgão jurídico internacional. Caso ele seja deferido pelo secretário-geral Ban Ki-moon – o que parece bastante provável –, os palestinos estarão aptos pedir abertura de inquérito contra políticos ou soldados israelenses acusados de crimes de guerra e contra a humanidade nos territórios ocupados. Segundo analistas internacionais, o procedimento poderá ter consequências abrangentes sobre as tensões israelo-palestinas.

Diante do anúncio da ANP, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rebateu, também ameaçando acionar judicialmente palestinos por crimes de guerra. De acordo com o comunicado apresentado pelo governo nacional à agência de notícias AFP, é possível serem abertos, nos EUA e em outras instâncias, processos contra o presidente Abbas e demais "altos responsáveis palestinos". A ameaça se estende também a representantes da ANP que colaboram com a organização radical palestina Hamas, reforçou o comunicado.

Sediado em Haia, o TPI é reconhecido como instância jurídica por 122 Estados, estando excluídos Israel, EUA, China e Rússia. Essas quatro potências assinaram, em parte, o Estatuto de Roma, que estabeleceu o Tribunal Internacional em 1998, porém nunca o ratificaram. O Brasil é signatário desde 2002.

AV/afp/ap/rtr

Leia mais