Israel expulsa diretor da HRW | Notícias internacionais e análises | DW | 25.11.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

MUNDO

Israel expulsa diretor da HRW

Diretor-executivo da Human Rights Watch afirma que, com decisão, Israel se junta a países como Venezuela e Irã. Essa é a primeira vez que acusado de apoiar movimento internacional de boicote ao país é deportado.

Omar Shakir no aeroporto Ben Gurion, em Israel

Expulsão de Omar Shakir ocorre após batalha judicial

Israel expulsou nesta segunda-feira (25/11) o diretor da ONG Human Rights Watch (HRW) em Israel e territórios palestinos, o americano Omar Shakir. Ele foi acusado pelo governo israelense de apoiar uma campanha de boicote internacional contra o país e foi o primeiro a ser expulso devido a esse tipo de acusação.

A HRW e Shakir negaram as acusações e asseguraram que não planejaram qualquer boicote a Israel. A expulsão ocorre após uma batalha judicial. Há três semanas, a Suprema Corte de Israel ratificou a decisão do governo israelense, que revogou em 2018 a permissão de residência e de trabalho de Shakir no país.

Uma lei israelense que passou a valer em 2017 impede a entrada no país e prevê a deportação daqueles que apoiem publicamente o movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções, conhecido pela sigla BDS, uma ação internacional para pressionar Israel a acabar com a ocupação da Cisjordânia, entre outras pautas.

Em agosto, Israel já havia usado a lei para bloquear a entrada no país de duas congressistas americanas, Ilhan Omar e Rashida Tlaib, que planejavam visitar territórios palestinos. Mas, no caso de Shakir, essa foi a primeira vez que a lei é usada para deportar alguém.

"Hoje culmina um esforço de dois anos e meio para me deportar pela minha defesa dos direitos humanos, um esforço para amordaçar a Human Rights Watch", afirmou Shakir no aeroporto. "Um dia me receberão aqui, espero que seja um dia melhor, um dia no qual israelenses e palestinos tenham seus direitos humanos respeitados", acrescentou.

Em comunicado, o diretor-executivo da HRW, Kenneth Roth, disse que, ao impedir o trabalho da HRW, Israel se junta a países como Venezuela, Irã e Egito, que também bloquearam o acesso de funcionários da ONG. "Não me lembro de outra democracia que tenha bloqueado o acesso a um investigador da Human Rights Watch", lamentou Roth.

De acordo com Roth, Shakir continuará seu trabalho na vizinha Jordânia e contará com uma rede de colaboradores em Israel, Cisjordânia e Faixa da Gaza, que farão as pesquisas de campo.

No comunicado da organização de defesa dos direitos humanos com sede em Nova Iorque, Roth apelou por uma maior atenção da comunidade internacional para a questão, considerando que "um governo que expulsa um dos principais investigadores de direitos humanos provavelmente não interromperá a sua opressão sistemática dos palestinos sob ocupação".

A União Europeia se posicionou contra a decisão e a ONU alertou em maio para a "redução do espaço de ação dos defensores dos direitos humanos" em Israel. As Nações Unidas consideram ilegais os assentamentos construídos por Israel em territórios palestinos ocupados em 1967.

O movimento BDS apela ao boicote econômico, cultural ou científico de Israel para pressionar o país a terminar a ocupação e a colonização dos territórios palestinos ocupados. Israel acusa o BDS de antissemitismo.

CN/lusa/rtr/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais