Instituições judaicas criticam encontro de Bolsonaro com deputada da ultradireita alemã | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 27.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Instituições judaicas criticam encontro de Bolsonaro com deputada da ultradireita alemã

Entidades judaicas no Brasil se mostram chocadas com reunião entre presidente da República e Beatrix von Storch e afirmam que a legenda dela, a AfD, é um partido de "extrema direita que minimiza as atrocidades nazistas".

Jair Bolsonaro entre a deputada alemã Beatrix von Storch e o marido dela, Sven von Storch

Bolsonaro entre a deputada Beatrix von Storch e o marido dela, Sven von Storch

Instituições judaicas no Brasil criticaram nesta segunda-feira (26/07) o encontro do presidente Jair Bolsonaro com a deputada da ultradireita alemã Beatrix von Storch, ocorrido na semana passada.

Von Storch é vice-presidente do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AFD) e foi recebida pelo presidente em Brasília. Ela também se reuniu, separadamente, com os deputados federais Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, e Bia Kicis (PSL-DF) e com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes. As fotos do encontro de Von Storch com Pontes foram mais tarde excluídas da conta do ministério na plataforma Flickr.

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) lamentou a recepção dada à deputada da AfD em Brasília. "Trata-se de partido extremista, xenófobo, cujos líderes minimizam as atrocidades nazistas e o Holocausto. O Brasil é um país diverso, pluralista, que tem tradição de acolhimento a imigrantes."

Outra entidade, o Instituto Brasil Israel (IBI), afirmou que a AfD tem características xenófobas e supremacistas e que a viagem mostra que a AfD apenas busca, de forma desesperada, legitimação internacional.

"O fato de Beatrix von Storch se ausentar da Alemanha quando se contam as vítimas das enchentes e viajar por um país isolado internacionalmente a esta altura, como o Brasil, mostra a irrelevância de seu partido e a busca desesperada por qualquer legitimação internacional. Ao contrário de uma união dos conservadores do mundo para defender os valores cristãos e a família, como sugeriu Bia Kicis, esses encontros estão mais para união de políticos de extrema direita irrelevantes no cenário global: um abraço de náufragos", afirma a nota assinada pelo coordenador-executivo do IBI, Rafael Kruchin.

Já o grupo Judeus pela Democracia se declarou chocado com o encontro do presidente com a líder de um partido que chamou de "extrema direita, xenófobo e nazista". "O presidente do Brasil, seu filho e a presidente da CCJ encontrarem uma deputada líder do partido de extrema direita, xenófobo e nazista é algo que nos assusta, não apenas como judeus, mas também como brasileiros."

"Pela terceira vez em dias a VP do partido de extrema direita alemão aparece com governistas brasileiros: presidente da CCJ, filho do presidente e agora o PRESIDENTE DO BRASIL posam sorrindo e citando semelhanças com o partido xenófobo alemão. Sem rodeios: nazistas", afirmou o Judeus pela Democracia em sua conta no Twitter.

Já na semana passada o Museu do Holocausto de Curitiba havia expressado preocupação e inquietude com os encontros da parlamentar alemã com autoridades brasileiras. "A Alternative für Deutschland (Alternativa para a Alemanha) é um partido político alemão de extrema direita, fundado em 2013, com tendências racistas, sexistas, islamofóbicas, antissemitas, xenófobas e forte discurso anti-imigração", afirmou o museu.

Afinidades com Bolsonaro

Nas suas redes sociais, Von Storch destacou as afinidades dela com Bolsonaro. "Gostaria de agradecer ao presidente brasileiro pela amistosa recepção. Estou impressionada com sua clara compreensão dos problemas da Europa e dos desafios políticos do nosso tempo. Em um momento em que a esquerda está promovendo sua ideologia por meio de suas redes e organizações internacionais em nível global, nós, conservadores, devemos formar uma rede mais estreita e defender nossos valores conservadores em nível internacional. Além dos EUA e da Rússia, o Brasil é um parceiro estratégico global para nós, com o qual queremos construir um futuro juntos."

Von Storch é uma representante de uma ala ultraconservadora da AfD e em 2014 ajudou a levar o partido, inicialmente uma agremiação eurocética, a adotar posições típicas da extrema direita europeia. Hoje, a AfD é conhecida pelo discurso radical anti-imigração e adotou recentemente um programa eleitoral com aspectos negacionistas da pandemia.

Nos últimos anos, o partido também se tornou um guarda-chuva para diferentes grupos de ultradireita da Alemanha, como arquiconservadores, fundamentalistas cristãos e ultranacionalistas. Muitos membros também são acusados regularmente de nutrir simpatias pelo nazismo e de minimizar os crimes cometidos pelos nazistas.

Normalmente, governos estrangeiros evitam receber deputados da AfD. Dessa forma, parlamentares da sigla costumam viajar para países que têm governos tão isolados no cenário internacional quanto o partido.

Deputados da AfD já causaram controvérsia ao serem recebidos pelo regime do ditador sírio Bashar al-Assad, e pelos governos do líder de Belarus, Alexander Lukashenko, e do presidente russo Vladimir Putin. Uma delegação da AfD também visitou em 2020 a Crimeia, região da Ucrânia anexada pela Rússia.

"Esse encontro é simbólico da cooperação internacional entre partidos de extrema direita e atores políticos", analisou o cientista social alemão Oliver Stuenkel, da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Ele diz que um dos principais responsáveis pela conexão internacional desses grupos é Steve Bannon, o antigo estrategista de Donald Trump, e que, com a queda de Trump, Bolsonaro herdou o papel do americano na sustentação desses novos agrupamentos internacionais da direita radical.

Na semana passada, os deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Bia Kicis (PSL-DF) divulgaram fotografias ao lado de Von Storch. Na ocasião, Kicis escreveu: "Conservadores do mundo se unindo para defender valores cristãos e a família". "Somos unidos por ideais de defesa da família, proteção das fronteiras e cultura nacional", escreveu, por sua vez, Eduardo Bolsonaro em suas redes sociais.

Quem é Von Storch

Membro de uma família antiga de origem nobre, Beatrix von Storch, de 50 anos, é, pelo lado materno, neta de Johann Ludwig Schwerin von Krosigk, que serviu como ministro das Finanças da ditadura de Adolf Hitler por mais de 12 anos.

Ele seria mais tarde julgado e condenado pelo Tribunal de Nurembergue, na etapa conhecida como o "julgamento dos ministros". Schwerin von Krosigk foi sentenciado a dez anos de prisão por crimes de guerra.

Pelo lado paterno, o outro avô de Beatrix von Storch também não foi menos controverso. Filho de um duque, Nikolaus von Oldenburg era membro tanto do Partido Nazista quanto da SA, a força paramilitar da legenda.

O passado nazista da família de Beatrix von Storch foi destacado pela imprensa alemã a partir de 2014, quando ela foi eleita deputada europeia pela AfD.

Em 2016, Von Storch manifestou aprovação à mensagem de um usuário do Facebook que havia perguntado se guardas de fronteira deveriam atirar em refugiados que chegassem ao país, inclusive mulheres com crianças.

À época, o comentário de Von Storch e uma declaração similar de Frauke Petry, então líder da AfD, causaram uma onda de indignação na Alemanha. Vários políticos lembraram na ocasião que os últimos episódios de refugiados baleados na Alemanha haviam envolvido fugitivos da Alemanha Oriental que tentaram escalar o Muro de Berlim.

Na sua viagem ao Brasil nesta semana, ela foi acompanhada de seu marido, Sven von Storch, de quem adotou o sobrenome em 2010.

Sven, membro de uma família alemã que se fixou no Chile após a derrota da Alemanha na Segunda Guerra Mundial, dirige junto com sua mulher vários coletivos e lobbies ultraconservadores na Alemanha, que promovem ideias antimigratórias e "valores cristãos" e se opõem ao casamento gay.

Na semana passada, publicações de Eduardo Bolsonaro e Bia Kicis sobre seus encontros com a ultradireitista alemã imediatamente geraram uma série de críticas nas redes sociais, apontando episódios controversos da carreira política de Beatrix von Storch, posições xenófobas e ultranacionalistas da deputada e de seu partido e até mesmo a sombria história familiar da parlamentar.

Em janeiro de 2018, ela voltou a causar controvérsia ao reclamar publicamente de tuítes da Polícia de Colônia que desejavam feliz ano novo em várias línguas, inclusive o árabe. "O que diabos está acontecendo neste país? Por que um site oficial da polícia da Renânia do Norte-Vestfália [estado em que fica Colônia] tuíta em árabe. Eles pretendem apaziguar as hordas de homens bárbaros, muçulmanos e estupradores em massa dessa maneira?", escreveu na ocasião. A rede social apagou a mensagem por violação das suas regras de conduta.

Recentemente, Von Storch também passou a abordar uma tema que tem mobilizado redes de ultradireita pelo mundo: o cerco das redes sociais como o Facebook e o Twitter contra publicações incendiárias ou extremistas. Reclamações contra as redes têm unido trumpistas, bolsonaristas e outros membros da cena de ultradireita pelo mundo. Numa publicação recente, ela disse que critérios "esquerdistas" das redes "cancelam" especialmente conservadores.

Dentro da AfD, a deputada costuma ser apontada como membro da ala "cristã ultraconservadora". Em 2014, quando os ultradireitistas tomaram o partido, ela afirmou que via a sigla como um veículo para "uma visão cristã da humanidade". Na imprensa alemã, Von Storch costuma ser classificada como "reacionária", "arquiconservadora" e "cristã radical".

Outras conexões da AfD com o bolsonarismo

A visita de Beatrix von Storch ao presidente Bolsonaro e aos deputados Eduardo Bolsonaro e Bia Kicis não é a única conexão recente entre membros da AfD e a cena bolsonarista/ultraconservadora brasileira.

Em 2018, na ocasião da eleição de Jair Bolsonaro à Presidência, a conta no Twitter da bancada da AfD no Bundestag reproduziu uma mensagem do deputado Petr Bystron felicitando Bolsonaro pela vitória.

"Jair Bolsonaro é um conservador franco que vem trabalhando para combater a corrupção de esquerda e restaurar a segurança e prosperidade para o seu povo", disse em nota o deputado. "Como ocorre com a AfD, ele foi inimizado por todos os lados por ser um outsider que desafiou o sistema", completou Bystron. A AfD foi o único partido alemão a parabenizar Bolsonaro pela vitória.

Em março de 2021, o deputado da AfD Waldemar Herdt viajou a São Paulo para visitar o Templo de Salomão e se encontrar com pastores da Igreja Universal do Reino de Deus. Nascido no Cazaquistão, Herdt faz parte da minoria alemã-russa que foi deportada pelo regime soviético para a Ásia Central durante a ditadura de Josef Stalin. Quase todos os membros desse grupo migraram para a Alemanha nos anos 1990, após o fim do comunismo. Dentro da AfD, Herdt é um dos representantes da ala cristã ultraconservadora, a mesma de Von Storch.

as/lf/jps (DW, DPA, OTS)

Leia mais