Indústria de brinquedos busca estratégias para continuar no mercado | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 05.02.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Indústria de brinquedos busca estratégias para continuar no mercado

Para concorrer com os jogos de videogame e de computador, indústria de brinquedos quer atrair atenção de bebês e também do público adulto.

default

Pai e filha brincam na Feira Internacional de Brinquedos

Até meados do século 18, eram as próprias crianças que construíam seus brinquedos na Alemanha. Posteriormente, com o desenvolvimento da burguesia, a produção de brinquedos passou a ser executada por empresas especializadas.

Com o passar do tempo, uma gigantesca indústria se estabeleceu: somente na Alemanha, as vendas anuais chegam a 4 bilhões de euros. O mercado também sofreu grandes mudanças: os jogos de tabuleiro e quebra-cabeça correspondem a 9% das vendas, e as bonecas totalizam 5%. Por outro lado, os jogos de computador chegam aos 50%. Não é a toa que a indústria de brinquedos quer alcançar um novo grupo alvo – especialmente as crianças de menor idade.

O baixo índice de natalidade e a preferência dos alemães em comprar brinquedos mais duradouros fizeram a indústria se mexer: a nova estratégia da indústria é atingir crianças mais novas, como também seus pais.

As vendas de brinquedos clássicos estão estáveis já faz alguns anos – bonecas, jogos de tabuleiro, carrinhos e bloquinhos de construção. Apesar dos bons resultados, há outro segmento em ascensão: os jogos de videogame. Nos últimos cinco anos, as vendas desse tipo de diversão dobraram. Por isso, a indústria de brinquedos tradicionais precisa correr atrás de boas idéias para sobreviver no mercado.

Spielwarenmesse Nürnberg Märklin Lokomotive Modelleisenbahn Flash-Galerie

Brinquedos tradicionais têm forte concorrência: os jogos de videogame e computadores

Os clássicos que ainda encantam

Os pais de Helen, de um ano meio, sabem que a filha faz parte do público alvo da indústria de brinquedos tradicionais que, nos últimos anos, faturou 2,4 bilhões de euro. Mas a menina ainda está numa fase em que se distrai com uma chaleira antiga de alumínio e uma garrafa térmica.

Talvez por mais um ano e meio, os pais de Helen ainda possam escolher os brinquedos da filha – depois ela deve passar a fazer algumas exigências. No universo dos futuros pedidos, um quarto dos brinquedos que ela vai gostar deverá ser de produção alemã, o resto deverá vir da China, do Japão e do Leste Europeu. Brinquedos como chocalho de madeira, relógio musical, figurinhas de colar, bola, livros.

Martina Esser trabalha como vendedora numa loja especializada há 20 anos. A comerciária diz que 20% das vendas são de brinquedos para crianças que ainda não atingiram a idade escolar, assim como Helen.

"Nós temos roupinhas para bonecas de diversos tamanhos. Temos pijamas, roupão, roupas íntimas, meias", enumera Martina alguns tipos de brinquedos à venda na loja. Há também outros tipos de passatempo: '"Quando se abre esse livro, por exemplo, dá para ver quem faz barulho – a buzina do ônibus, o bonde, o caminhão de lixo."

Para Alfred Westenhöfer, proprietário da loja, a indústria de brinquedos tem se esforçado em ganhar a atenção de crianças da idade de Helen. "As pessoas dizem já há alguns anos que a criança, com 10 até 12 anos, não é mais criança. Esta é uma idade em que os computadores aparecem."

Flash-Galerie Spiele Gesellschaftsspiele Memory

Jogos de tabuleiro e quebra-cabeça correspondem a 9% das vendas

Estratégia da indústria

O fato de os alemães terem menos filhos nos dias de hoje e de preferirem brinquedos que durem mais são outros agravantes para a indústria de brinquedos. Apesar de ser o país europeu mais populoso, a Alemanha é o terceiro em vendas de brinquedos, ficando atrás do Reino Unido e da França.

A Feira Internacional de Brinquedos de Nurembergue, que vai até 09/02, reúne as principais marcas mundiais. Nesse ano, a feira está focada no mercado para bebês – além de estar de olho nos adultos, já há algum tempo.

Parece que a tática está dando certo. Uma cliente da loja de brinquedos de Bonn confessa: "Tudo o que eu gosto e tudo o que pode divertir as crianças, eu compro para meu filho. Eu mesma vou sempre a lojas de brinquedos e quando vejo que os olhos dele brilham então dá vontade de comprar ainda mais."

Autora: Jutta Wasserab (ca)

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais