Guterres presta juramento na Assembleia Geral da ONU | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Nações Unidas

Guterres presta juramento na Assembleia Geral da ONU

Em cerimônia em Nova York, Nações Unidas dão boas-vindas a seu próximo secretário-geral. "ONU deve estar pronta para mudar", diz ex-primeiro-ministro português, que assume posto de Ban Ki-moon em 1º de janeiro de 2017.

O português António Guterres, eleito próximo secretário-geral das Nações Unidas, prestou juramento nesta segunda-feira (12/12) na Assembleia Geral da ONU, em Nova York. Sua posse será no dia 1º de janeiro de 2017, quando substitui o sul-coreano Ban Ki-moon no comando da organização.

"Juro solenemente exercer com toda a lealdade, discrição e consciência as funções a mim atribuídas como secretário-geral das Nações Unidas", declarou Guterres, comprometendo-se ainda a não "procurar ou aceitar instruções de nenhum governo ou autoridade alheia à organização".

Em seu discurso inaugural de 15 minutos, em que falou em inglês, francês e espanhol, o português afirmou que seu mandato, com duração de cinco anos, terá "três prioridades estratégicas": otimizar a gestão interna da organização, trabalhar pela paz e promover o desenvolvimento sustentável.

"É hora de reconhecermos as deficiências. A ONU deve estar pronta para mudar", defendeu o político, que já foi primeiro-ministro de Portugal. "A organização precisa ser mais ágil e eficiente. Deve se concentrar mais na entrega e menos no processo, mais nas pessoas e menos na burocracia."

Guterres, que declarou estar preparado para "se envolver pessoalmente" na resolução de conflitos mundo afora, observou ainda que assume o comando das Nações Unidas num momento em que as pessoas em todo o mundo estão perdendo a confiança em seus líderes, autoridades e instituições.

"É hora de reconstruir as relações entre o povo e seus líderes – tanto nacionais como internacionais. É hora de os líderes ouvirem e mostrarem que se importam com seu povo e com a estabilidade e a solidariedade mundiais das quais dependemos", afirmou o próximo secretário-geral.

Trajetória

Guterres, de 67 anos, foi indicado ao cargo em 5 de outubro pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas. A nomeação foi aprovada pela Assembleia Geral da ONU uma semana mais tarde.

A partir de 1º de janeiro, ele lidera uma organização que conhece bem, depois de ter chefiado o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), entre junho de 2005 e dezembro de 2015, uma organização com cerca de 10 mil funcionários em 125 países.

A ONG Human Rights Watch saudou a indicação de Guterres, classificando-o de "advogado direto e efetivo dos refugiados". Segundo a organização, "numa época de grandes desafios", ele teria "o potencial para encontrar um tom radicalmente novo em relação aos direitos humanos".

Antes do Acnur, o diplomata foi presidente da organização Internacional Socialista, com sede em Londres, entre os anos de 1999 e 2005, de onde saiu para chefiar o Alto-Comissariado da ONU.

De 1996 a 2002, Guterres foi primeiro-ministro de Portugal, renunciando ao cargo depois da derrota do Partido Socialista nas eleições autárquicas. Na época, justificou a decisão com a necessidade de evitar que o país, "num momento de crise internacional", caísse num "pântano político".

Experiência, urbanidade, talento linguístico e descontração são algumas das qualidades atribuídas a Guterres. Além disso, é considerado um excelente orador, dominando fluentemente os idiomas da ONU e se afirmando como estrategista habilidoso, que persegue com tenacidade suas metas.

UN Generalversammlung - Antonio Guterres, Vereidigung als Generalsekretär in New York (Reuters/L. Jackson)

Cerimônia marca transferência de poderes entre Ban Ki-moon (esquerda) e Guterres

Em discurso de despedida nesta segunda-feira, Ban Ki-moon, que liderou a ONU nos últimos dez anos, disse ter certeza que Guterres – um homem "de integridade e princípios", nas suas palavras – vai reagir "com sucesso" aos muitos desafios do cargo e trazer novas conquistas à organização.

O diplomata sul-coreano ainda destacou o papel das Nações Unidas em sua trajetória pessoal. "Para mim, o poder da ONU nunca foi abstrato ou acadêmico, é a história da minha vida", afirmou.

"A ONU nos alimentou. Os livros didáticos da ONU nos ensinaram. A solidariedade da ONU mostrou que não estávamos sozinhos", disse Ban, lembrando sua infância durante a Guerra da Coreia.

EK/afp/ap/efe/lusa

Leia mais