Guerra da Coreia acabou sem acordo de paz | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 19.04.2018

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Zeitgeist

Guerra da Coreia acabou sem acordo de paz

Um cessar-fogo que dura até hoje encerrou o conflito em 1953, o que significa que, em tese, as Coreias do Norte e Sul continuam em guerra. Aproximação entre Trump e Kim pode mudar também essa situação.

Soldados sul-coreanos em Panmunjom, dentro da zona desmilitarizada que divide o Norte e o Sul

Soldados sul-coreanos em Panmunjom, dentro da zona desmilitarizada que divide o Norte e o Sul

A Guerra da Coreia foi interrompida em 27 de julho de 1953 com a assinatura de um acordo de armistício e sem que qualquer um dos lados pudesse se declarar vencedor. Como um acordo de paz nunca foi assinado, oficialmente Coreia do Sul e Coreia do Norte continuam em guerra.

Os signatários do acordo de cessar-fogo foram os Estados Unidos, que lutaram na guerra ao lado do Sul e lideraram as forças internacionais reunidas no Comando das Nações Unidas; a China, que lutou ao lado do Norte; e o próprio Norte. O Sul se recusou a assinar o acordo.

O documento buscava uma solução provisória para o conflito, até que um acordo de paz definitivo fosse assinado. Mas isso nunca aconteceu, e ele segue em vigor até hoje.

É esse acordo que determina a criação da chamada Zona Desmilitarizada da Coreia, uma faixa de cerca de 4 quilômetros de largura que é a fronteira de facto entre os dois países.

Uma comissão militar, que se reúne até hoje no local conhecido como Panmunjom, garante que o cessar-fogo seja observado. Também ela foi criada pelo acordo de 1953.

A recente aproximação entre os líderes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Coreia do Norte, Kim Jong-un, reavivou a questão da assinatura de um acordo de paz, com o presidente americano apoiando abertamente a ideia. Também a China manifestou apoio.

Mas há vários obstáculos para ela se concretizar. Tanto Pyongyang como Seul reclamam soberania sobre toda a Península Coreana, e um acordo de paz só seria possível se ambas abrissem mão dessa reivindicação por meio do reconhecimento mútuo.

É certo, também, que extensas negociações seriam necessárias, e também os Estados Unidos seriam obrigados a reconhecer oficialmente a existência da Coreia do Norte, pois apenas países com relações diplomáticas podem assinar um tratado dessa magnitude. Além disso, o Norte sempre exigiu que um acordo de paz tenha a assinatura dos EUA.

Mas, dificuldades à parte, os planos existem e deverão ser debatidos no histórico encontro previsto para a próxima semana entre Kim Jong-un e o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, confirmou o governo do Sul.

Mas também Seul lembrou que essa questão não pode ser resolvida apenas pelas duas Coreias, pois envolve necessariamente também os signatários do armistício de 1953, a China e os Estados Unidos.

A coluna Zeitgeist oferece informações de fundo com o objetivo de contextualizar temas da atualidade, permitindo ao leitor uma compreensão mais aprofundada das notícias que recebe no dia a dia.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais