Grupo curdo assume autoria de ataque em Istambul | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 10.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Grupo curdo assume autoria de ataque em Istambul

Falcões da Liberdade do Curdistão afirma que atentado foi retaliação a ofensivas turcas no sudeste do país. Milícia, que é ligada ao PKK, alerta que Turquia não é mais um destino seguro para turistas.

Atentado em Istambul

Atentado em Istambul matou 11 pessoas, sendo sete policiais e quatro civis

Um grupo ligado ao banido Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) assumiu nesta sexta-feira (10/06) a autoria do ataque a bomba realizado em Istambul nesta semana.

O grupo intitulado Falcões da Liberdade do Curdistão (TAK) afirmou em seu portal de internet que realizou o atentado nesta terça-feira em retaliação às operações das forças turcas no sudeste do país, que concentra uma grande população curda. O ataque deixou sete policiais e quatro civis mortos.

"A ação foi realizada em reação aos ataques selvagens da República da Turquia em Nusaybin, Sirnak e outras localidades", diz o comunicado do TAK.

No texto publicado em quatro idiomas, incluindo inglês e alemão, o grupo também lançou um alerta aos turistas que escolhem a Turquia com destino. "Alertamos novamente todos os turistas estrangeiros que estão na Turquia ou que desejam viajar ao país", disse o grupo. "Os estrangeiros não são nosso alvo, mas a Turquia não é mais um país seguro para eles."

Assistir ao vídeo 01:13
Ao vivo agora
01:13 min

Explosão em centro turístico deixa pelo menos 11 mortos em Istambul

O grupo, que se refere ao governo turco utilizando termos como "colonial" e "fascista", afirmou que o Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), do presidente Recep Tayyip Erdogan, "insiste obstinadamente numa guerra contra o povo curdo e é responsável pelas mortes de civis".

O ataque da última terça-feira ocorreu próximo à estação de metrô Vezneciler, a poucos metros de distância de locais frequentados por turistas, com o Grande Bazar e a Mesquita Azul. A fachada de uma antiga mansão otomana transformada num hotel popular foi danificada pela explosão.

O atentado foi mais um duro golpe à imagem do país como destino turístico. Em 2015, o número de visitantes caiu 30%.

O ataque desta terça-feira foi seguido de outro na província de Mardin, no sudeste turco, que deixou seis mortos, incluindo uma policial grávida. O atentado foi reivindicado pelo PKK.

O primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, afirmou nesta quarta-feira que o PKK propôs a retomada do processo de paz, mas ressaltou que não haverá negociações. "Não há nada para se discutir", disse Yildirim.

As autoridades do país afirmaram que aeronaves militares atacaram e mataram nesta quinta-feira entre oito e dez suspeitos de serem membros do PKK, perto da fronteira com o Iraque.

Apesar do pouco que se sabe sobre o TAK, um grupo considerado mais radical que o PKK e que promove ofensivas na zona de conflito no sudeste. Acredita-se que o grupo tenha se desvencilhado do PKK há muitos anos.

RC/rtr/afp/ap/dpa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados