Greta Thunberg ganha prêmio de direitos humanos da Anistia | Notícias internacionais e análises | DW | 07.06.2019

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Greta Thunberg ganha prêmio de direitos humanos da Anistia

Adolescente sueca e seu movimento "Fridays for Future" dividem Prêmio Embaixador da Consciência, concedido pela organização internacional. "É preciso lutar pelo que achamos certo", defende a ativista climática.

A adolescente sueca Greta Thunberg discursa em Roma acompanhada por centenas de jovens

A adolescente sueca Greta Thunberg discursou em Roma, em meados de abril, pela proteção do meio ambiente

A adolescente sueca Greta Thunberg foi honrada nesta sexta-feira (07/06) com o prêmio de direitos humanos da Anistia Internacional por sua "liderança e coragem únicas em defender os direitos humanos". O movimento ambientalista "Fridays for Future", criado por ela, também levou o prêmio.

Greta, de 16 anos, influenciou milhares de estudantes a fazerem greve pelo clima às sextas-feiras. Por seu esforço para chamar a atenção das autoridades para as mudanças climáticas, o grupo recebeu o Prêmio Embaixador da Consciência, que em ocasiões passadas foi concedido ao jogador de futebol americano Colin Kaepernick e à cantora Alicia Keys, assim como aos ganhadores do Prêmio Nobel da Paz Malala Yousafzai e Nelson Mandela.

Em comunicado, Greta afirmou ser "uma grande honra" receber o prêmio em nome do movimento "Fridays for Future" (ou Greve pelo Futuro, como vem sendo chamado no Brasil). "Este não é meu prêmio, este é o prêmio de todos", frisou.

"É preciso lutar pelo que achamos ser certo. Acho que todos aqueles que fazem parte desse movimento estão fazendo isso", disse a adolescente. "A injustiça que todos nós precisamos combater é a de que as pessoas no hemisfério sul serão as mais afetadas pela mudança climática, embora elas sejam as menos responsáveis por causá-la."

Por sua vez, Kumi Naidoo, secretário-geral da Anistia Internacional, disse estar "inspirado pela determinação com que jovens ativistas em todo o mundo estão nos desafiando para confrontar as realidades da crise climática".

"Eles nos lembram que somos mais poderosos do que pensamos e que todos nós temos um papel a desempenhar na proteção dos direitos humanos contra a catástrofe climática", destacou ele em comunicado.

Greta deu início a seu movimento de jovens manifestantes ambientalistas no ano passado, com protestos semanais do lado de fora do Parlamento da Suécia. Desde então, a causa se espalhou pela Europa e pelos Estados Unidos, chegando a países como Brasil, Uganda e Austrália.

Em 24 de maio, um protesto global do movimento "Fridays for Future" foi organizado em 131 países.

Em sua missão em defesa do clima, a adolescente sueca tem se dirigido diretamente aos líderes internacionais, acusando-os de falhar com as futuras gerações ao não fazer o suficiente em prol do meio ambiente.

No ano passado, a ONU divulgou um relatório global em que afirma que a emissão de gases do efeito estufa precisa ser drasticamente reduzida nos próximos anos a fim de estabilizar o clima.

Segundo o relatório, as emissões globais de carbono atingiram o recorde de mais de 37 bilhões de toneladas métricas, o equivalente a 407 partes por milhão (ppm) – o valor representa um aumento de 45% em relação ao período pré-industrial.

A Anistia criou o Prêmio Embaixador da Consciência em 2002 para homenagear pessoas e grupos que promovem a causa dos direitos humanos. Ainda não foi marcada uma data para a cerimônia de premiação.

PV/dpa/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais