Greta Thunberg e Arnold Schwarzenegger se aliam pelo clima | Notícias internacionais e análises | DW | 28.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Meio ambiente

Greta Thunberg e Arnold Schwarzenegger se aliam pelo clima

Adolescente sueca faz discurso firme a líderes presentes em conferência em Viena organizada pelo ex-governador. Para ela, autoridades mundiais falham em relação à crise climática, "a maior crise humanitária já vivida".

Greta Thunberg e Arnold Schwarzenegger na conferência Austrian World Summit em Viena

Greta, de 16 anos, se reuniu a figuras importantes do mundo científico, político e empresarial na capital austríaca

A adolescente sueca Greta Thunberg, que lidera um movimento mundial em defesa da proteção do meio ambiente, afirmou nesta terça-feira (28/05) que os políticos falharam com a sociedade em relação à crise climática, no início de uma conferência em Viena organizada pelo ator e ex-governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger.

"Enquanto vocês, os líderes, agirem como se tudo estivesse bem e vocês tivessem tudo sob controle, nós, o povo, não entenderemos que estamos numa situação de emergência", declarou a ativista de 16 anos em discurso na terceira edição da Austrian World Summit.

Greta frisou que é preciso "mudar a forma como tratamos e falamos sobre a crise climática e temos que chamá-la pelo que é: uma emergência". "É a maior crise humanitária já vivida", afirmou ela, que há nove meses impulsionou uma greve estudantil realizada todas as sextas-feiras para reivindicar medidas contra o aquecimento global.

"Nós, jovens, estamos acordando e prometemos que não mais deixaremos vocês escaparem [desse compromisso]", disse a sueca, lembrando que milhões de jovens no mundo todo se uniram à luta, mas fazendo questão de assinalar: "Nós, as crianças, não somos os líderes."

Assim, dirigindo-se a uma plateia formada por líderes políticos, diplomatas, empresários, jornalistas e inclusive o secretário-geral da ONU, António Guterres, Greta apontou responsabilidades.

"As pessoas escutam vocês. Por isso vocês têm uma enorme responsabilidade", afirmou. "E, para ser honesta, é uma responsabilidade que a maioria de vocês falhou em assumir."

A ativista denunciou que as mudanças climáticas são tratadas como se fossem um assunto qualquer e disse acreditar que os cidadãos não estão destruindo a biosfera por estupidez ou maldade, mas por falta de conhecimento. "Quando percebemos, nós agimos, mudamos", afirmou.

Greta se tornou uma figura de liderança para jovens ativistas do clima em todo o mundo, inspirando centenas de milhares de outros estudantes a deixarem as salas de aula para sair às ruas nos protestos que fazem parte do movimento "Fridays for future" (ou Greve pelo futuro, como vem sendo chamado no Brasil).

Dada sua influência na luta pela clima, ela foi convidada a discursar nesta terça-feira na conferência organizada por Schwarzenegger, outro defensor do meio ambiente. O evento reúne na capital austríaca cerca de 1.200 figuras do mundo científico, político e empresarial para discutir maneiras de combater as mudanças climáticas.

Em discurso durante a conferência, Schwarzenegger pediu aos líderes mundiais que "parem de mentir para o povo pobre sobre poluição e mudanças climáticas" e que "invistam em energia verde para o futuro". "É possível proteger o meio ambiente e a economia."

O ator, que nasceu na Áustria, ainda clamou aos céticos do clima, às montadoras de carro e às empresas que não trabalham com energia renovável que aceitem a realidade do aquecimento global. "Eventualmente a verdade vai pegá-los também", afirmou.

Schwarzenegger usou como exemplo a fabricante de automóveis alemã Volkswagen, envolvida num escândalo de fraude em testes de emissões de poluentes em veículos. "No final, eu juro a vocês que as pessoas irão para a prisão por suas mentiras", disse o ex-governador.

O secretário-geral das Nações Unidas, por sua vez, pediu o estabelecimento de impostos sobre a poluição, o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis e mudanças na forma de fazer negócios, de gerar energia e de produzir alimentos.

"Precisamos de uma economia e de uma sociedade sem combustíveis fósseis", destacou Guterres, que pediu vontade política para que tais objetivos sejam alcançados.

Ele também lamentou que as metas acordadas por mais de 150 países no Acordo de Paris sobre o clima, em 2015, não estão sendo cumpridas. "Muitos dos países que em Paris prometeram fazer uma série de coisas não estão nem mesmo alcançando suas próprias promessas."

"A ruptura do clima está chegando e está progredindo mais rápido do que nossos esforços para enfrentá-lo", disse Guterres. "Estamos fazendo menos do que aquilo que já sabemos que não será suficiente."

Nas eleições para o Parlamento Europeu neste domingo, partidos ambientalistas tiveram importantes ganhos em alguns dos maiores países da União Europeia, incluindo um apoio de mais de 20% na Alemanha, onde o Partido Verde se tornou a segunda legenda mais forte.

Grandes impulsionadores dessa onda verde foram os jovens, que se voltaram para as siglas ambientalistas fazendo pressão para que a ação climática seja colocada mais firmemente na agenda política.

EK/afp/ap/dpa/efe

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais