Governo volta atrás em suspensão do combate ao desmatamento | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 28.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Governo volta atrás em suspensão do combate ao desmatamento

Ministério do Meio Ambiente divulga nova nota, na qual anuncia desbloqueio de R$ 60 milhões de verbas do Ibama e ICMBio. Movimento ocorre após Mourão dizer que Salles havia se precipitado com a paralisação de operações.

Brigadistas do Ibama recolhem animais queimados em meio a queimada na Floresta Amazônica

Brigadistas do Ibama recolhem animais queimados em meio a queimada na Floresta Amazônica

Poucas horas após anunciar a suspensão de todas as operações de combate ao desmatamento e às queimadas no país, o Ministério do Meio Ambiente voltou atrás na decisão nesta sexta-feira (28/08). Em nota, a pasta comunicou que houve desbloqueio dos seus recursos. O bloqueio estava na origem do anúncio da paralisação das atividades.

"O Ministério do Meio Ambiente informa que na tarde de hoje houve o desbloqueio financeiro dos recursos do Ibama e ICMBio e que, portanto, as operações de combate ao desmatamento ilegal e às queimadas prosseguirão normalmente", afirma a nota.

O anúncio foi feito após o vice-presidente Hamilton Mourão, que comanda o Conselho da Amazônia, ter declarado que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, havia se precipitado ao anunciar a suspensão do combate ao desmatamento. O vice também afirmou que não haveria paralisação nas operações nem o bloqueio do orçamento destinado a esse fim.

O Ministério do Meio Ambiente anunciou nesta sexta-feira a suspensão de todas as operações de combate ao desmatamento e às queimadas no país. A decisão teria sido tomada após um bloqueio de verbas do órgão determinado pela Secretaria de Orçamento Federal.

Em nota, o ministério afirmou inicialmente que o bloqueio atingia cerca de R$ 20,9 milhões do orçamento do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), responsável pela fiscalização ambiental, e R$ 39,7 milhões das verbas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Diante da repercussão negativa, Mourão foi o primeiro integrante do governo a negar a decisão. "O governo está buscando recursos para o auxílio emergencial. Cada ministério dá sua contribuição. Mas o ministro se precipitou. Não vão ser bloqueados os R$ 60 milhões de Ibama e ICMBio", disse.

Pouco tempo depois, o próprio Ministério do Meio Ambiente confirmou em nota o desbloqueio dos recursos e o fim da paralisação das operações. 

O Brasil enfrenta críticas no exterior devido à política ambiental do governo do presidente Jair Bolsonaro.

No episódio mais recente, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou pela primeira vez ter "sérias dúvidas" sobre a implementação do acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul devido ao aumento do desmatamento na Amazônia. Ela teria ainda dito numa reunião com ativistas que não assinaria o acordo em sua forma atual.

O acordo de livre-comércio entre a União Europeia e Mercosul, assinado em julho do ano passado, vem enfrentando resistência cada vez maior na Europa, devido sobretudo à política ambiental do governo brasileiro.

Os parlamentos de Áustria, Holanda e o da região da Valônia, na Bélgica, já anunciaram que não darão seu aval ao acordo. A ratificação do pacto também encontra resistência na França, na Irlanda e em Luxemburgo. A alta nos números do desmatamento da Amazônia no ano passado é um dos fatores que levaram europeus a se posicionarem contra o acordo.

CN/ots

Leia mais