1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Vacina Covaxin
Resultado do ensaio clínico de fase 3 da Covaxin ainda não foi divulgadoFoto: Dibyangshu Sarkar/AFP/Getty Images

Brasil anuncia compra de 20 milhões de doses da Covaxin

26 de fevereiro de 2021

Primeiro lote do imunizante produzido na Índia deve ser entregue em março, segundo o Ministério da Saúde. Uso da vacina no país ainda depende de autorização da Anvisa.

https://www.dw.com/pt-br/governo-federal-diz-ter-assinado-acordo-para-comprar-20-milh%C3%B5es-de-doses-da-covaxin/a-56708673

O Ministério da Saúde afirmou nesta quinta-feira (25/02) ter fechado um acordo para comprar 20 milhões de doses da vacina Covaxin, desenvolvida pela farmacêutica indiana Bharat Biotech para combater a covid-19.

A pasta informou que pagará R$ 1,6 bilhão pelo imunizante. As primeiras 8 milhões de doses devem chegar ao país em março, em dois lotes de 4 milhões, a serem entregues de 20 a 30 dias após a assinatura do contrato.

Outras 8 milhões de doses devem ser entregues no prazo de 45 a 60 dias após a assinatura do contrato, e em maio seria realizada a entrega do último lote, com 4 milhões de doses.

A Bharat Biotech é representada no Brasil pela empresa Precisa Medicamentos, que distribuirá no território nacional as doses importadas da Índia.

Aval da Anvisa

A vacina indiana que o governo federal diz ter comprado ainda não teve o uso autorizado no país pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O início de sua aplicação dependerá do aval do órgão.

A Bharat Biotech não divulgou até o momento os resultados do ensaio clínico de fase 3 de sua vacina, uma etapa necessária para obter a autorização da Anvisa. Há expectativa de que os resultados de um estudo de fase 3 feito com 25,8 mil pessoas na Índia seja divulgado em março.

O governo brasileiro indicou que a Bharat Biotech deve solicitar o registro da vacina à Anvisa nos próximos dias. Neste mês, a agência passou a dispensar a exigência de que o estudo de fase 3 fosse realizado no Brasil para liberar o uso de imunizantes produzidos no exterior.

Outras vacinas

A Anvisa autorizou até o momento o uso emergencial da vacina Coronavac, produzida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, e do imunizante desenvolvido pela universidade de Oxford com a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca e distribuído no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) – ambas já estão sendo aplicadas nos brasileiros.

Nesta terça-feira, a Anvisa também concedeu o registro definitivo para a vacina criada pela farmacêutica americana Pfizer em parceria com a empresa alemã Biontech. É o primeiro registro do tipo concedido pela agência a um imunizante contra a covid-19, que não precisa ser renovado. Contudo, o governo federal não chegou a uma acordo de compra com a Pfizer. Esse imunizante tem sido usado de larga escala em Israel, nos Estados Unidos e na União Europeia.

O governo federal negocia também a compra de doses da vacina russa Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya e representada no Brasil pelo laboratório União Química.

Segundo um consórcio da imprensa brasileira, formado por O Globo, Extra, G1, Folha de S. Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo, até esta quinta 6.179.900 pessoas haviam recebido ao menos a primeira dose da vacina contra a covid-19, cerca de 3% da população.

bl (ots)