Governo federal diz ter assinado acordo para comprar 20 milhões de doses da Covaxin | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 26.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Governo federal diz ter assinado acordo para comprar 20 milhões de doses da Covaxin

Primeiro lote do imunizante produzido na Índia deve ser entregue em março, segundo o Ministério da Saúde. Uso da vacina no país ainda depende de autorização da Anvisa.

Vacina Covaxin

Resultado do ensaio clínico de fase 3 da Covaxin ainda não foi divulgado

O Ministério da Saúde afirmou nesta quinta-feira (25/02) ter fechado um acordo para comprar 20 milhões de doses da vacina Covaxin, desenvolvida pela farmacêutica indiana Bharat Biotech para combater a covid-19.

A pasta informou que pagará R$ 1,6 bilhão pelo imunizante. As primeiras 8 milhões de doses devem chegar ao país em março, em dois lotes de 4 milhões, a serem entregues de 20 a 30 dias após a assinatura do contrato.

Outras 8 milhões de doses devem ser entregues no prazo de 45 a 60 dias após a assinatura do contrato, e em maio seria realizada a entrega do último lote, com 4 milhões de doses.

A Bharat Biotech é representada no Brasil pela empresa Precisa Medicamentos, que distribuirá no território nacional as doses importadas da Índia.

Aval da Anvisa

A vacina indiana que o governo federal diz ter comprado ainda não teve o uso autorizado no país pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O início de sua aplicação dependerá do aval do órgão.

A Bharat Biotech não divulgou até o momento os resultados do ensaio clínico de fase 3 de sua vacina, uma etapa necessária para obter a autorização da Anvisa. Há expectativa de que os resultados de um estudo de fase 3 feito com 25,8 mil pessoas na Índia seja divulgado em março.

O governo brasileiro indicou que a Bharat Biotech deve solicitar o registro da vacina à Anvisa nos próximos dias. Neste mês, a agência passou a dispensar a exigência de que o estudo de fase 3 fosse realizado no Brasil para liberar o uso de imunizantes produzidos no exterior.

Outras vacinas

A Anvisa autorizou até o momento o uso emergencial da vacina Coronavac, produzida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, e do imunizante desenvolvido pela universidade de Oxford com a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca e distribuído no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) – ambas já estão sendo aplicadas nos brasileiros.

Nesta terça-feira, a Anvisa também concedeu o registro definitivo para a vacina criada pela farmacêutica americana Pfizer em parceria com a empresa alemã Biontech. É o primeiro registro do tipo concedido pela agência a um imunizante contra a covid-19, que não precisa ser renovado. Contudo, o governo federal não chegou a uma acordo de compra com a Pfizer. Esse imunizante tem sido usado de larga escala em Israel, nos Estados Unidos e na União Europeia.

O governo federal negocia também a compra de doses da vacina russa Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya e representada no Brasil pelo laboratório União Química.

Segundo um consórcio da imprensa brasileira, formado por O Globo, Extra, G1, Folha de S. Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo, até esta quinta 6.179.900 pessoas haviam recebido ao menos a primeira dose da vacina contra a covid-19, cerca de 3% da população.

bl (ots)