Governo em Trípoli anuncia renúncia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 05.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Governo em Trípoli anuncia renúncia

Autoridades na capital da Líbia cedem poder para governo nacional de unidade que foi negociado e apoiado pela ONU. País está dividido desde a queda do ex-ditador Kadafi.

Primeiro-ministro Fayez al-Sarraj se reuniu com governo em Trípoli para negociar transferência do poder

Primeiro-ministro (c) se reuniu com governo em Trípoli para negociar transferência do poder

O governo da Líbia em Trípoli afirmou nesta terça-feira (05/04) que está cedendo o poder para o governo nacional de unidade, negociado e apoiado pela ONU. O anúncio foi feito uma semana após a chegada na capital de membros dessa gestão, incluindo o primeiro-ministro Fayez al-Sarraj.

Segundo o Ministério da Justiça em Trípoli, a decisão foi tomada depois de uma reunião que visava preparar a transferência pacífica do poder. "Informamos que estamos interrompendo nosso trabalho como poder executivo, como presidência, e de membros do Parlamento e ministros do governo", disse o ministério, em comunicado.

O documento diz ainda que as autoridades em Trípoli decidiram deixar o poder, pois estão determinadas a preservar os interesses do país e "evitar derramamentos de sangue e divisões". O documento ressalta que o governo na capital é não mais responsável por acontecimentos futuros.

O enviado das Nações Unidas para a Líbia, Martin Kobler, disse que o anúncio é uma boa notícia, mas acrescentou que "ações precisam seguir as palavras".

País dividido

A Líbia mergulhou no caos após a deposição e morte do ditador Muammar Kadafi, em 2011. Desde 2014, a divisão do país somente aumentou, com a formação de dois governos e dois parlamentos – o reconhecido internacionalmente, em Tobruk, no leste do país, e o apoiado pelos islamistas, na capital, Trípoli. Cada um dos lados conta com o apoio de uma série de milícias.

O novo governo nacional de unidade surgiu de um acordo mediado pela ONU, em dezembro. Líderes políticos dos grupos opostos assinaram, no Marrocos, o tratado que tenta acabar com a divisão do país.

O governo de unidade, porém, tem enfrentado críticas de ambos os lados e ainda precisa ser aprovado pelo Parlamento reconhecido pela comunidade internacional.

A Líbia sofre ainda com o surgimento de um grupo afiliado aos terroristas do "Estado Islâmico" (EI), o qual reivindicou responsabilidade por uma série de ataques mortais. O objetivo dos jihadistas seria expandir seu território e assumir o controle sobre campos de petróleo – a única fonte de riqueza do país.

CN/rtr/afp/lusa

Leia mais