Governo Bolsonaro dá passaporte diplomático a Edir Macedo | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 15.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Governo Bolsonaro dá passaporte diplomático a Edir Macedo

Decisão dá a bispo evangélico e esposa direito a ter documento oficial durante três anos. Ele havia obtido passaporte diplomático nos governos Dilma e Lula, mas teve benefício suspenso sob Michel Temer.

Edir Macedo brasilianischer Bischof (Imago Images/Fotoarena/N. Antoine)

Edir Macedo: ele já havia recebido passaporte diplomático durante os governos Lula e Dilma

O governo do presidente Jair Bolsonaro concedeu passaportes diplomáticos ao bispo evangélico Edir Macedo, fundador e líder da Igreja Universal do Reino de Deus, e à sua esposa, Eunice Rangel Bezerra.

A decisão consta numa portaria assinada pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e publicada no Diário Oficial da União nesta segunda-feira (15/04). A validade é de três anos.

Segundo a portaria, a concessão do passaporte diplomático se baseia no decreto 5.978, de 2006, segundo o qual "ao portar passaporte diplomático, seu titular poderá desempenhar de maneira mais eficiente suas atividades em prol das comunidades brasileiras no exterior".

De acordo com o decreto, o passaporte diplomático deve ser autorizado, no território nacional, pelo Ministro das Relações Exteriores, seu substituto legal ou delegado. Além de servidores que viajem em missão oficial, o documento pode ser concedido "às pessoas que viajem em missão relevante para o país, a critério do Ministério das Relações Exteriores". Entre as vantagens de portar o documento está a de ter acesso a filas especiais em aeroportos.

Embora muito comentada, a decisão não é inédita. De acordo com o Itamaraty, esta é a quarta vez que o bispo evangélico recebe esse tipo de documento. A primeira foi em dezembro de 2010, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Depois, ele voltou a receber o passaporte diplomático em dezembro de 2011 (válido por dois anos) e em janeiro de 2014 (válido por três anos), ambas as vezes no governo de Dilma Rousseff.

A concessão de passaportes diplomáticos a líderes religiosos – tradição que remete aos tempos do Império, quando a religião oficial era o catolicismo – havia sido suspensa em julho de 2016, durante o governo Michel Temer, sob o argumento de que o Brasil é um Estado laico.

Na época, o pastor R. R. Soares – que fundou a Igreja Universal ao lado de Macedo e hoje é líder da Igreja Internacional da Graça de Deus – e sua esposa tiveram seus passaportes suspensos liminarmente pela Justiça, com o juiz responsável usando o argumento da laicidade do Estado.

A decisão do governo Bolsonaro de conceder o documento a Macedo e à esposa veio após o presidente se reunir com evangélicos no Rio de Janeiro na semana passada. Durante o encontro – organizado pelo pastor Silas Malafaia –, o presidente sugeriu que se pode "perdoar, mas não esquecer" o Holocausto, provocando indignação em Israel.

Macedo não esteve presente no encontro com Bolsonaro, mas apoiou o presidente abertamente durante a campanha eleitoral do ano passado. Casada com Macedo desde 1971, Ester Bezerra também atua na Igreja Universal e é autora de livros religiosos.

LPF/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais