França promete acabar com ″Selva de Calais″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

França promete acabar com "Selva de Calais"

Ministro do Interior diz que migrantes que ainda vivem no acampamento improvisado serão evacuados em etapas. Próximo à entrada do Eurotúnel, local abriga milhares de requerentes de asilo.

Assistir ao vídeo 00:56
Ao vivo agora
00:56 min

"Selva de Calais" com os dias contados

O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, prometeu remover completamente o acampamento de migrantes na cidade de Calais conhecido como "A Selva". Em entrevista publicada nesta sexta-feira (02/09) no jornal Nord Littoral, o político disse que agirá com "a maior determinação" para fechar o local.

Apesar de repetidas promessas de ministros franceses de evacuar o acampamento, ele ainda abriga em torno de 7 mil pessoas, segundo dados do governo. Organizações humanitárias e um dos sindicatos de policias da França dizem que o total de habitantes da "Selva" gira em torno de 10 mil, o que Cazeneuve nega.

Próxima à entrada do Eurotúnel e ponto de partida de balsas para o Reino Unido, Calais se tornou um ímã para migrantes que pretendem chegar clandestinamente ao outro lado do Canal da Mancha. O acampamento improvisado abriga grande número de afegãos, somalis, sudaneses e curdos, além de requerentes de asilo de diversas outras nacionalidades.

Pouco antes de visitar o local nesta sexta-feira, o ministro disse na entrevista que o acampamento será desmontado em etapas, ao mesmo tempo em que milhares de acomodações para os migrantes serão erguidas em outras regiões do país.

Governo substituiu parte do acampamento em Calais por abrigos em contêinerese

Governo substituiu parte do acampamento por abrigos em contêineres

Para o próximo ano, o ministro afirmou que a França planeja criar 5 mil novas acomodações de emergência para migrantes, além de enviar um reforço de duzentos policiais a Calais, que se somarão aos 1,9 mil que já fazem a vigilância nos arredores do Eurotúnel e do porto.

"Desmontamos a parte sul [do acampamento] no início de março, e já começamos os trabalhos na parte norte", afirmou Cazeneuve ao Nord Littoral.

Desde outubro, mais de 5 mil migrantes deixaram a cidade no norte da França com destino a 161 centros de acolhimentos em outras partes do país.

Cazeneuve disse que o presidente francês, François Hollande, deverá visitar Calais em setembro.

RC/afp/lusa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados