Forças Armadas intervêm no Zimbábue | Notícias internacionais e análises | DW | 15.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Forças Armadas intervêm no Zimbábue

Militares assumem controle da capital, tomam TV estatal e mantêm presidente Robert Mugabe, no poder há mais de três décadas, sub custódia, num aparente golpe de Estado no país africano.

default

Tanques e veículos blindados bloqueam entradas da capital Harare e soldados realizam revistas em pedestres e motoristas

As Forças Armadas anunciaram nesta quarta-feira (15/11) terem assumido o controle do Zimbábue e posto sob custódia o presidente Robert Mugabe, um dos mais longevos chefes de Estado do mundo, no poder há três décadas, no que se desenha como um golpe militar.

Os militares dizem que não é um golpe, mas as ações, que se desenrolaram durante a madrugada, têm todos os traços de um: veículos militares espalhados pela capital Harare, soldados no controle da TV estatal e um general divulgando um comunicado sobre a situação.

O discurso na TV foi feito pelo major-general Sibusiso Moyo, que afirmou não se tratar de um golpe militar. Segundo ele, o Exército pretende assumir o controle temporariamente para superar uma "crise política, social e econômica grave".

Soldados e veículos blindados bloquearam o acesso ao Parlamento e a outros edifícios governamentais. A intervenção tem relação com a disputa pela sucessão de Mugabe, que tenta, no pleito de 2018, novamente uma reeleição.

Mugabe e sua família foram levados em custódia – militares garantiram ter sido uma medida para preservar a segurança deles. A ação militar se trata "apenas" de derrubar "criminosos no entorno" do chefe de Estado, de 93 anos.

"Temos como alvo criminosos no entorno dele [Mugabe], que estão cometendo crimes que causam sofrimento social e econômico no país, a fim de levá-los à Justiça. Uma vez que completamos nossa missão, esperamos um retorno à normalidade", disse Moyo.

O representante militar exortou todas as forças de segurança a cooperarem com o Exército. Provocações seriam respondidas adequadamente, advertiu. Todos os soldados devem se apresentar imediatamente. Ao se dirigir ao Judiciário, Moyo disse:

Simbabwe Generalmajor Sibusiso Moyo

Major-general Sibusiso Moyo ressaltou não se tratar de um golpe militar e que Robert Mugabe está em segurança

"As medidas tomadas são destinadas a assegurar que você [a Justiça], como um ramo independente do Estado, possa exercer sua autoridade independente – sem medo de ser desativada."

A situação ainda é difusa. A sede presidencial em Harare e o Parlamento do Zimbábue estão inacessíveis e controlados por soldados. O próprio Mugabe ainda não falou publicamente. Um funcionário do gabinete da presidência chegou a afirmar na terça-feira que o chefe de Estado seguia com seus trabalhos oficiais normalmente.

De acordo com testemunhas, houve pelo menos três grandes explosões na capital Harare. Também foram ouvidos tiros. Um residente disse à agência de notícias AFP que pouco depois das 2 horas da manhã (horário local) ter escutado o som de 30 a 40 tiros vindos da direção da residência de Mugabe.

As embaixadas dos Estados Unidos e do Reino Unido, assim como o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, alertaram seus cidadãos no Zimbábue a terem cautela devido à situação pouco clara e aconselharam que ficassem em casa. A embaixada americana ficará fechada nesta quarta-feira.

A crise

A tensão no Zimbábue se agravou depois que o chefe militar, o general Constantino Chiwenga, ameaçou publicamente o governo Mugabe, presidente do país desde 1987. Chiwenga afirmou que o Exército estava pronto para "intervir" diante da crise no país.

Na semana passada, Mugabe destituiu seu vice-presidente Emmerson Mnangagwa, um aliado do líder militar Chiwenga. Os dois combateram juntos com Mugabe contra o regime de minoria branca na antiga Rodésia.

Chiwenga criticou os planos de Mugabe de demitir outros políticos da velha guarda. "Isso tem que parar", exigiu o chefe do Exército. Ele também criticou que a situação econômica do Zimbábue não tenha melhorado por anos devido a entreveros internos no partido governante União Nacional Africana do Zimbábue – Frente Patriótica (Zanu-PF).

O partido governante disse na terça-feira que as observações de Chiwenga são equivalentes à traição e ao incitamento à rebelião contra a ordem constitucional. O general Chiwenga e o vice-presidente destituído Mnangagwa são considerados críticos da primeira-dama Grace Mugabe, de 52 anos, que espera seguir os passos de seu marido no mais alto cargo do Estado.

Um especialista da consultoria de risco Verisk Maplecroft afirmou que o aumento da presença militar em Harare era um sinal claro de que as Forças Armadas iriam intervir, caso necessário, para evitar que Grace Mugabe seja presidente.               

Segundo a imprensa local, os militares capturaram os ministros das Finanças, Ignatius Chombo; o ministro da Educação Superior, Jonathan Moyo; e o ministro de Obras Públicas e Habitação e comissário político a nível nacional da ZANU-PF, Saviour Kasukuwere.

Os três fariam parte do chamado grupo G40, uma facção do partido que, segundo os analistas, procura expulsar aos veteranos da guerra de independência – como o vice-presidente Mnangagwa – para abrir caminho para Grace Mugabe.

Mugabe é o chefe de Estado mais velho do mundo, um dos mais longevos da África e governa o Zimbábue com uma mão dura há 37 anos – como presidente desde 1987 e primeiro-ministro de 1980 até 1987.

Ele enfrenta críticas por causa da grave crise econômica e por ataques a jornalistas, fazendeiros brancos e oposicionistas. Apesar da idade avançada, ele se recusou a nomear um sucessor. Mugabe pretende concorrer à reeleição em 2018.

PV/dpa/afp/apd/rtr/ap

___________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais