OMS na mira por nomear Mugabe ″embaixador da boa vontade″ | Notícias internacionais e análises | DW | 21.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

OMS na mira por nomear Mugabe "embaixador da boa vontade"

Escolha da Organização Mundial da Saúde (OMS) provoca consternação em autoridades médicas e da política. Robert Mugabe é acusado de violações de direitos humanos e de sucatear o sistema de saúde do Zimbábue.

Bildergalerie langjährige Herrscher Robert Mugabe (Getty Images/AFP/J. Njikizana)

Mais velho chefe de Estado do mundo, Robert Mugabe detém o poder desde 1980 no Zimbábue

O choque e a consternação continuaram neste sábado (21/10) depois da nomeação de Robert Mugabe, presidente do Zimbábue, como "embaixador da boa vontade" pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O anúncio, feito no início da semana no Uruguai, provocou confusão e raiva entre ativistas, que apontam que o sistema de saúde do Zimbábue, como também muitos dos serviços públicos, entrou em colapso sob o regime autoritário de Mugabe.

O chefe de Estado também tem sido criticado por viajar para o exterior para tratamento médico, enquanto a economia antes próspera do Zimbábue se desmantela. Mugabe também sofre sanções da ONU devido a abusos contra os direitos humanos em seu governo. Com 93 anos, ele é atualmente o chefe de Estado mais velho do mundo e se encontra no poder desde a independência do país em 1980.

Leia também:

Ocidente levanta dúvidas sobre vitória de Mugabe no Zimbábue

Mugabe comemora 92 anos com festa de US$ 800 mil

A agência da ONU, presidida desde julho último pelo ministro da Saúde etíope, Tedros Adhanom Ghebreyesus, justificou a oferta ao presidente do Zimbábue devido aos seus esforços para combater o tabagismo e enfermidades crônicas, como asma, doenças cardíacas e AVC.

Falando em Montevidéu, nesta semana, o presidente da OMS saudou o Zimbábue como um país que coloca a "oferta universal de saúde" no centro de suas políticas de cuidados para todos.

Londres condenou o anúncio "surpreendente e decepcionante". Um porta-voz do governo britânico disse que a nomeação de Mugabe para ajudar a combater doenças crônicas colocava em risco a reputação da OMS, acrescentando que seu governo já teria registrado as suas preocupações junto ao diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O ministro da Saúde da Irlanda, Simon Harris, classificou o anúncio de "ofensivo e bizarro".

Escolha não definitiva

Mais de 20 organizações – incluindo a Federação Mundial do Coração e o Instituto de Pesquisa do Câncer do Reino Unido – emitiram um comunicado criticando a nomeação, dizendo que as autoridades de saúde estariam "chocadas e profundamente preocupadas", chamando atenção para a "longa lista de violações dos direitos humanos" por parte de Mugabe.

Já em 2008, a associação de ajuda humanitária Médicos pelos Direitos Humanos havia divulgado um relatório documentando as falhas no sistema de saúde do Zimbábue, afirmando que as políticas de Mugabe levaram a uma crise provocada pelo homem. "O governo de Robert Mugabe presidiu a dramática reversão do acesso da população a alimento, água limpa, saneamento básico e cuidados de saúde", concluiu o grupo.

Agências da ONU nomeiam muitas vezes personalidades importantes para chamar atenção para o seu trabalho, como é o caso da atriz Angelina Jolie com a Agência da ONU para Refugiados (Acnur).

Essas escolhas, no entanto, não estão sujeitas á aprovação do secretário-geral das Nações Unidas ou de outra pessoa. Elas também não são definitivas, podendo ser canceladas a qualquer momento.

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde afirmou neste sábado que está repensando a nomeação do presidente do Zimbabué, Robert Mugabe, como embaixador da boa vontade da OMS, após a condenação que a escolha suscitou. Numa mensagem publicada no Twitter, Tedros Adhanom Ghebreyesus disse: "Estou atento às vossas preocupações e repensando a questão segundo os valores da OMS. Farei uma declaração logo que possível". 

CA/ap/afp/dpa

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais