FMI reduz previsão de crescimento da economia brasileira para 2019 | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 09.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

FMI reduz previsão de crescimento da economia brasileira para 2019

Fundo afirma que conter aumento da dívida pública é prioridade e que reforma da Previdência deve ser feita. Prognóstico para economia mundial também é reduzido em meio à guerra comercial entre EUA e China.

Cédulas de reais

FMI considera lei do teto de gastos um passo na direção certa

O Fundo Monetário Internacional (FMI) rebaixou nesta terça-feira (09/04) sua projeção de crescimento da economia do Brasil para 2019 de 2,5% para 2,1%, principalmente por causa do desequilíbrio fiscal.

Porém, o FMI melhorou sua previsão para 2020, que passou de 2,2% no relatório de janeiro para 2,5% no relatório atual, o Perspectivas Econômicas Mundiais.

"No Brasil, a principal prioridade é conter o aumento da dívida pública, enquanto se assegura que o gasto social necessário permaneça intacto", escreveram os especialistas do Fundo em sua análise.

Para o FMI, a polêmica lei do teto de gastos, introduzida no governo do ex-presidente Michel Temer, é um passo na direção correta para o equilíbrio fiscal. O órgão instou o governo brasileiro a promover reformas nos gastos com funcionários públicos e na Previdência e, ao mesmo tempo, "proteger programas sociais vitais para os vulneráveis".

A instituição comandada pela economista francesa Christine Lagarde recomendou ainda às autoridades brasileiras que elevem os esforços para melhorar a infraestrutura e a "eficiência da intermediação financeira" para impulsionar as perspectivas de crescimento de médio prazo.

Perspectiva global

O FMI rebaixou mais uma vez sua previsão de crescimento da economia global, para 3,3% em 2019, ou 0,2 ponto percentual menos que em janeiro e 0,4 menos que em outubro passado, devido às tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, a uma queda na confiança dos empresários, à piora de condições financeiras e à insegurança política em muitos países.

Em janeiro, o FMI já havia rebaixado sua previsão para 2019, também em 0,2 ponto percentual. A previsão para 2020 é de crescimento de 3,6% e permanece inalterada.

A previsão mundial é fortemente influenciada pelo desempenho da economia dos Estados Unidos, que deverá crescer 2,3% em 2019, ou 0,2 ponto percentual menos do que o previsto três meses atrás.

Já o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro crescerá 1,3%, frente à alta de 1,8% em 2018, segundo as previsões do FMI, que em janeiro esperava uma alta de 1,6% para 2019.

A queda se explica pela situação econômica de dois pesos pesados da região: a Alemanha, cujo crescimento deve desacelerar para 0,8%, e a Itália, para 0,1%, ambos 0,5 ponto percentual menos que na previsão de janeiro.

A França (previsão de alta do PIB de 1,3% em 2019, ou 0,2 ponto a menos que em janeiro) se viu afetada pelo movimento dos "coletes amarelos", que perturbaram sua economia no fim de 2018.

A economia da China continuará seu ritmo de progressiva moderação com um crescimento de 6,3% em 2019 e de 6,1% em 2020, causados pelo "necessário ajuste" para controlar a dívida e os efeitos das tarifas impostas pelos Estados Unidos. Em 2018, a segunda maior economia do mundo cresceu 6,6%.

AS/efe/afp/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais