FMI eleva previsão de alta do PIB do Brasil em 2017 | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 24.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

FMI eleva previsão de alta do PIB do Brasil em 2017

Instituição destaca rendimento melhor do que o previsto da economia brasileira no primeiro trimestre. Mas fraca demanda doméstica e incertezas políticas abalam estimativa de crescimento para 2018.

Notas e moedas de real

FMI mencionou depreciação do real e incerteza política no Brasil

O Fundo Monetário Internacional (FMI) elevou levemente a previsão de crescimento econômico do Brasil para 2017, de 0,2% para 0,3%. A projeção trimestral da instituição sobre suas perspectivas de crescimento, divulgada nesta segunda-feira (24/07), destacou um rendimento da economia brasileira no primeiro trimestre melhor do que o previsto.

Depois de contrair em 2016, a atividade econômica na América Latina deverá se recuperar gradualmente nos anos de 2017 e 2018, já que alguns países – especialmente Argentina e Brasil – devem sair de suas recessões. Em comparação com a previsão de abril, o prognóstico de crescimento do PIB brasileiro para 2017 subiu 0,1 ponto percentual devido a um forte primeiro trimestre, aponta o FMI.

No entanto, a depreciação do real, "a persistente fraqueza na demanda doméstica e um aumento de incertezas políticas refletirão num ritmo de recuperação moderado". Seguindo essa justificativa, o FMI projetou um crescimento menor para 2018. Em abril a previsão era de 1,7% – agora o crescimento econômico do Brasil foi recalculado pelo FMI para 1,3% para 2018. 

O Fundo Monetário Internacional comunicou acreditar num crescimento econômico ainda maior em todo o mundo nos próximos anos. Após apresentação do relatório econômico, a instituição afirmou que não há dúvidas sobre o momento positivo da economia mundial.

"A recuperação do crescimento global que previmos em abril está firme e forte", disse o economista-chefe do FMI, Maurice Obstfeld. Ele acrescentou que dados recentes, incluindo um aumento acelerado no comércio, sugeriram que a economia mundial está entrando em sua "maior recuperação sincronizada" da última década.

Zona do euro e EUA

Em sua projeção de julho, o FMI também elevou a previsão para a zona do euro, afirmando esperar que a economia europeia cresça 1,9% neste ano, e 1,7% em 2018 (aumento de 0,2 e 0,1 ponto percentual, respectivamente, em relação à estimativa de abril).

Um dos motores da economia europeia, a Alemanha, ficará ligeiramente abaixo da média da zona do euro, registrando taxas de expansão de 1,8% em 2017 e 1,6% no próximo ano, segundo cálculos do FMI.

A mais importante queda nas previsões foi a dos EUA. O FMI comunicou que rebaixou as perspectivas de crescimento econômico dos Estados Unidos porque prevê que a política fiscal "não será tão expansiva" como se tinha pensado. A maior economia do mundo crescerá este ano 2,1% e, no ano seguinte, 2,1% –menos que os 2,3% e 2,5% que os especialistas calcularam em abril.

"O crescimento dos Estados Unidos deveria se manter acima de sua taxa de crescimento potencial a longo prazo durante os dois próximos anos, mas reduzimos as perspectivas", disse Obstfeld. Ele afirmou ainda que o rebaixamento foi aplicado porque "parece menos provável que a política fiscal dos EUA seja tão expansiva como se acreditava em abril".  

PV/rtr/dpa/ots

Leia mais