Fidel recebe espiões libertados pelos EUA | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 02.03.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Fidel recebe espiões libertados pelos EUA

Los Cinco, como são chamados, foram à casa do ex-presidente. Três deles foram libertados no dia do acordo entre Cuba e EUA. Fotos mostram Fidel Castro sentado e mais magro.

default

Ramón Labañino (e) e Gerardo Hernández ao lado de Fidel Castro, na casa do ex-presidente de Cuba

O ex-presidente cubano Fidel Castro recebeu no sábado passado (28/02) os três agentes secretos cubanos libertados em dezembro pelos Estados Unidos, no âmbito da reaproximação entre os dois países. "Recebi-os no sábado, 28 de fevereiro, 73 dias depois de terem posto os pés em solo cubano, e ouvi os maravilhosos relatos de heroísmo do grupo", escreveu Fidel Castro numa carta publicada por vários jornais cubanos.

Realizado na casa de Fidel, no oeste de Havana, o encontro de cinco horas contou também com a presença de outros dois agentes secretos anteriormente libertados pela Justiça dos Estados Unidos. O grupo é conhecido em Cuba como Los Cinco (Os cinco). O diário oficial Granma divulgou no seu site 13 fotografias do encontro, nas quais o ex-chefe de Estado cubano, de 88 anos, aparece sentado, agasalhado e visivelmente mais magro.

Fidel Castro Kuba

O grupo Los Cinco posa para foto com Fidel

Gerardo Hernández, Ramón Labañino e Antonio Guerrero, condenados em 2001 a pesadas penas de prisão por espionagem, regressaram à ilha em 17 de dezembro, dia do anúncio histórico da reaproximação entre Cuba e os Estados Unidos. Fernando González e René González haviam sido libertados em 2013 e 2014, respectivamente, após reduções de pena.

Antes de se afastar do poder, em 2006, o ex-presidente fez da libertação dos cinco agentes uma verdadeira causa nacional. E a sua ausência quando os três últimos espiões libertados regressaram ao país alimentou rumores sobre o seu estado de saúde. Essas especulações só desapareceram no início de fevereiro, com a publicação das primeiras fotos de Fidel em quase seis meses.

As autoridades cubanas sempre admitiram que os cinco homens eram agentes secretos, mas rejeitavam a acusação de espionagem. "Eles nunca fizeram mal a ninguém nos Estados Unidos", apenas "tentaram prevenir e impedir os atos de terrorismo contra a ilha", repetiu Fidel Castro na sua carta.

AS/lusa/efe/rtr

Leia mais