Fiat pode incorporar a montadora alemã Opel | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 23.04.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Fiat pode incorporar a montadora alemã Opel

Fiat estaria estudando aliança com a americana Chrysler e a alemã Opel para formar gigante mundial. Primeiras reações na Alemanha são negativas. Críticos temem que aliança possa causar fechamento de fábricas.

default

A montadora alemã Opel está próxima de ser incorporada pela italiana Fiat, afirmou nesta quinta-feira (23/04) o presidente do conselho de empresa da Opel, Klaus Franz, à agência de notícias DPA. Ele confirmou uma informação divulgada anteriormente pelo site Spiegel Online.

De acordo com o site, na próxima terça-feira as duas partes assinarão uma declaração de intenções. O compromisso não foi confirmado por Franz, que também não o descartou. "Parto do princípio de que ele exista", disse.

Tanto o governador de Hessen, Roland Koch, como o ministro alemão da Economia, Karl-Theodor zu Guttenberg, afirmaram que ainda não foi tomada nenhuma decisão. Um porta-voz da Opel disse que há negociações em andamento com vários investidores.

Além da Fiat, outro possível investidor é a fabricante de peças automotivas austro-canadense Magna. Analistas afirmam que uma aliança com a Magna seria melhor para a Opel do que uma aliança com a Fiat.

Fusão com a Chrysler

Já o Wall Street Journal (WSJ) afirmou que o presidente da Fiat, Sérgio Marchionne, teve na semana passada uma reunião em Berlim com Guttenberg. Segundo o jornal, os italianos condicionam a aquisição da Opel a um acerto com a montadora norte-americana Chrysler, também fortemente afetada pela crise.

Segundo o WSJ, a intenção da Fiat, ao se aliar à Chrysler e à Opel, é formar uma das maiores montadoras do mundo. A notícia do interesse dos italianos pela Opel veio no mesmo dia em que a Fiat anunciou um prejuízo de 410 milhões de euros no primeiro trimestre de 2009. O faturamento da montadora caiu de 15,1 bilhões para 11,27 bilhões de euros.

Reações negativas

Na Alemanha, a notícia de que a Opel possa vir a ser controlada pela Fiat foi mal recebida. Franz acusou a montadora italiana de não pretender uma parceria estratégica, mas de estar interessada apenas nas garantias estatais oferecidas pela Alemanha. "A Fiat tem 14,2 bilhões de euros de dívidas e grandes problemas de liquidez." Ele teme que haja muitas demissões nas unidades alemãs da Opel caso o negócio se concretize.

Também o sindicato dos metalúrgicos, IG Metall, é contra o negócio. "A Fiat tem uma capacidade excedente enorme. E há o temor de que esse problema seja resolvido sobretudo com o fechamento das unidades da Opel em Bochum e Eisenach", disse o sindicalista Armin Schild à agência de notícias Reuters. Schild integra o conselho de administração da Opel.

Também o especialista em indústria automotiva Ferdinand Dudenhöffer se posicionou contra a aliança. "Opel e Fiat combinam tanto como fogo e água. Eles fabricam modelos semelhantes para os mesmos mercados e passarão a fazê-lo nas mesmas fábricas, que hoje já estão com excesso de capacidade. A Opel só tem a perder e o fechamento de unidades é provável", disse ao site Bild.de.

AS/dpa/reuters
Revisão: Rodrigo Abdelmalack

Leia mais