Falsificação de carteira de vacinação preocupa polícia alemã | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 13.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Falsificação de carteira de vacinação preocupa polícia alemã

Liberdade concedida a vacinados impulsiona comércio de documentos falsos. Policiais afirmam que tema está sendo negligenciado por governo da Alemanha.

A falsificação de carteiras de vacinação para comprovar uma suposta imunização contra a covid-19 tem preocupado a polícia alemã. Ofertas de venda e apreensões de documentos falsos passaram a ser tornar mais frequentes desde que países europeus e a própria Alemanha começaram a flexibilizar para vacinados as medidas restritivas impostas para combater a pandemia.

O presidente da Associação da Polícia Criminal Alemã, Sebastian Fiedler, teme que a falsificação de carteiras de vacinação se torne um problema de longa data. "O problema já existe hoje e permanecerá atual por bastante tempo, pois a imunização será associada ao fim de restrições básicas de direito ou a vantagens em viagens", destacou em entrevista ao jornal Handelsblatt publicada nesta quinta-feira (13/05).

Com o documento falso, aqueles que se recusarem a tomar a vacina poderão desfrutar das liberdades concedidas a vacinados, como a não necessidade de cumprir a quarentena para viajantes imposta em vários países, acrescentou Fiedler.

O especialista defende a rápida introdução de uma carteira de vacinação à prova de falsificação. Ele acusa ainda o governo alemão de negligência neste contexto, pois o problema poderia ter sido previsto com bastante antecedência.

O presidente do Sindicato da Polícia Alemã, Rainer Wendt, tem uma opinião semelhante. Para ele, o atual modelo da carteira de vacinação não é seguro e falsificações são extremamente difíceis de serem identificadas.

Em entrevista ao Neuen Osnabrücker Zeitung, Wendt defende que, para combater o problema, a polícia tenha acesso ao banco de dados de vacinação do Instituto Robert Koch (RKI), a agência responsável pelo controle e prevenção de doenças. Até o momento, essas informações são transmitidas por centros de imunização ao RKI anonimamente.

"Isso teria que mudar. Os dados precisariam ser transmitidos na íntegra ao RKI, ou seja, com nome, dados pessoais e data da vacinação", acrescenta. Wendt explica que o acesso a essas informações, então, deve ser liberado a policiais para facilitar o controle.

Mais liberdade

Desde 9 de maio, cidadãs e cidadãos da Alemanha que tenham sido completamente vacinados ou se recuperado de covid-19 não estão mais sujeitos a restrições de contato ou circulação. Além disso, ficam equiparados a quem apresenta testes negativos.

Indivíduos que se encaixam numa das categorias passam a poder se encontrar no âmbito privado sem restrições. Em reuniões com não vacinados, por exemplo no círculo familiar e de amizades, eles deixam de ser computados no número máximo permitido de participantes – assim como os menores de 14 anos.

O toque de recolher fica igualmente suspenso para vacinados e recuperados. Após viagens ao exterior, só em casos excepcionais precisam se submeter a quarentena – por exemplo, ao chegarem de uma região em que haja uma variante do Sars-Cov-2 em circulação, como o Brasil.

Ficam também liberados de restrições para a prática de esportes individuais sem contato, como o jogging, e não precisam mais apresentar teste negativo de covid-19 para fazer compras não essenciais ou cortar o cabelo, bastando o certificado de vacina. Seguem sendo obrigatórios, contudo, o uso de máscaras protetoras e o distanciamento em locais públicos.

Autoridades alemãs já afirmaram que falsificação da carteira de vacinação coloca em risco o combate à pandemia, além de expor terceiros ao perigo de uma doença grave.

cn (Reuters, DW)

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados