Facebook endurece controle de postagens após boicote publicitário | Notícias internacionais e análises | DW | 27.06.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Facebook endurece controle de postagens após boicote publicitário

Empresa anuncia novas medidas contra discurso de ódio em anúncios publicitários e afirma que vai marcar postagens de campanha eleitoral para direcionar usuários a informações oficiais.

Mark Zuckerberg

Zuckerberg vinha se recusando a tomar medidas em relação a posts polêmicos

O Facebook anunciou nesta sexta-feira (26/06) que vai começar a marcar posts que violem as suas regras, bem como acrescentar um link informativo a postagens de campanha eleitoral nos EUA, direcionando os usuários a informações oficiais.

A plataforma irá também elevar o combate ao discurso de ódio em anúncios publicitários, proibindo aqueles que afirmarem que pessoas de certas origens, etnias, nacionalidades, sexo ou orientação sexual representam uma ameaça à segurança ou saúde de outros, anunciou o diretor da empresa, Mark Zuckerberg, num comunicado divulgado através do seu perfil do Facebook.

Da mesma forma, a empresa vai ampliar suas regras para proteger melhor imigrantes, refugiados ou solicitantes de refúgio de anúncios que sugerem que eles sejam inferiores.

Há várias semanas que o Facebook enfrenta uma pressão crescente da sociedade civil americana, bem como de alguns dos seus empregados, utilizadores e clientes, para melhor regular os conteúdos que incitam ao ódio. O anúncio desta sexta-feira significa uma mudança de posição em relação à moderação de conteúdos nas redes sociais da empresa.

Zuckerberg adiantou que serão marcadas todas as mensagens, incluindo as de políticos, que quebrem as regras da rede social, e que serão removidas mensagens que incitam à violência ou desestimulem pessoas a votar.

A empresa confirmou que uma polêmica mensagem do presidente Donald Trump, que sugeria que os votos por correspondência levariam à fraude eleitoral nos Estados Unidos, também seria marcada.

Zuckerberg vinha se recusando a tomar medidas em relação a mensagens de Trump. O Twitter, pelo contrário, marcou ou ocultou alguns posts do presidente.

Nesta sexta-feira, o grupo Coca-Cola anunciou a suspensão por 30 dias de toda sua publicidade em redes sociais, pouco depois de a companhia Unilever, que agrupa marcas como Dove e Hellmann's, a montadora Honda, a empresa de telefonia Verizon e a empresa Levi Strauss anunciarem medidas semelhantes.

AS/lusa/rtr/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais