Ex-estrategista de Trump declara apoio a Bolsonaro | Legado judaico no mundo | DW | 26.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Eleições 2018

Ex-estrategista de Trump declara apoio a Bolsonaro

Steve Bannon afirma que o candidato do PSL será um "grande líder" para o Brasil. Considerado um guru da ultradireita, ex-funcionário da Casa Branca está à frente de um grupo de apoio internacional ao populismo.

Steve Bannon

"O movimento populista é um fenômeno global. É por isso que acho que Bolsonaro vai ganhar", disse Bannon

Steve Bannon, ex-estrategista-chefe do presidente americano Donald Trump e de sua campanha eleitoral em 2016, declarou nesta sexta-feira (26/10) apoio à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência do Brasil.

"O capitão Bolsonaro é um patriota brasileiro, e eu acredito que será um grande líder para seu país neste momento histórico", disse Bannon em texto enviado à agência de notícias Reuters.

"O movimento populista é um fenômeno global. A tendência está definitivamente a nosso favor, e é por isso que acredito que Bolsonaro vai ganhar", disse o americano em entrevista à mesma agência nesta semana. "Ele é uma figura como Trump."

Em agosto deste ano, Bannon se reuniu com Eduardo Bolsonaro, filho do candidato à Presidência, em Nova York. Na ocasião, o deputado federal relatou que Bannon era um entusiasta de seu pai e que ambos manteriam contato "para somar forças, principalmente contra o marxismo cultural".

O americano é considerado um dos maiores ícones do populismo de direita e esteve à frente do portal Breitbart News, que ajudou a propagar a nova ultradireita dos Estados Unidos.

Trump nomeou Bannon como seu estrategista-chefe logo após assumir a Presidência. Ele permaneceu no cargo durante apenas sete meses. No governo, ele defendia que Trump deveria manter o discurso populista que o levara ao poder e o encorajou, entre outras coisas, a emitir o polêmico veto migratório contra os refugiados e os imigrantes de determinados países muçulmanos, bem como a retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima.

Segundo o jornal The New York Times, Bannon estava em confronto permanente com o chefe de gabinete da Casa Branca, John Kelly, que o avisou de que não admitiria as suas maquinações de bastidores. Ele também tinha fortes divergências com o cunhado de Trump, Jared Kushner, e era acusado por rivais dentro do governo de vazar informações para a imprensa.

Após deixar a Casa Branca, Bannon criou um grupo baseado em Bruxelas chamado de "O Movimento", com a proposta de promover uma agenda política conservadora aproveitando-se da onda populista na Europa, Ásia e América Latina. 

Bannon já se encontrou diversas vezes com membros da cena populista de direita europeia, como a francesa Marine Le Pen, o britânico Nigel Farage, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, além de conservadores poloneses e políticos do partido Alternativa para a Alemanha (AfD).

RC/rtr/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais