Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 10.11.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

Após convocar novas eleições, líder esquerdista cede à pressão das Forças Armadas e da polícia, entregando o cargo "para que meus irmãos não sejam ameaçados". Vice e outras autoridades também se demitem.

O presidente da Bolívia, Evo Morales, renunciou neste domingo (10/11) ao cargo, após quase 14 anos no poder, numa declaração transmitida pela televisão do país: "Estou renunciando para que meus irmãos não sejam ameaçados. Lamento muito este golpe civil."

"Não roubei nada. Se acham, apresentem uma prova. Meu pecado é ser indígena, dirigente sindical, cocaleiro. Quero pedir desculpas por ter sido exigente durante o trabalho. Não foi para Evo, foi para o povo boliviano. Aqui não termina a vida, segue a luta", completou.

Em seguida, seu vice-presidente, Álvaro García Linera, também entregou o posto. Antes, os chefes das Forças Armadas e da polícia exigiram que abandonasse o cargo, para que a estabilidade e a paz pudessem regressar ao país.

O chefe da instituição militar, Williams Kaliman, e o comandante da polícia, Yuri Calderón, leram declarações separadas, nas quais pediam a demissão de Morales. Reeleito em 20 de outubro para um quarto mandato, ele estava sob suspeita de fraude eleitoral. A Bolívia atravessa uma crise social e política desde o dia seguinte ao pleito.

Horas antes da renúncia, Morales ainda anunciara a convocação de novas eleições, após a Organização dos Estados Americanos (OEA) ter recomendado a medida devido a suspeitas de irregularidades no último escrutínio. Dois ministros e o presidente da Assembleia Nacional, Victor Borda, também já haviam renunciado a seus cargos.

Os Estados Unidos e a União Europeia haviam apoiado a convocação de novas eleições presidenciais na Bolívia. Por sua vez, o principal candidato oposicionista nas eleições passadas, o ex-presidente Carlos Mesa, dissera que o líder esquerdista não deveria se candidatar no próximo pleito.

Horas após convocar novas eleições e depois renunciar ao cargo, Morales disse em uma rede social que um policial teria um "mandado de prisão ilegal" contra ele e que "grupos violentos" assaltaram sua casa.

"Denuncio ao mundo e ao povo boliviano que um oficial da polícia anunciou publicamente que foi instruído a executar um mandado de prisão ilegal contra minha pessoa; da mesma forma, grupos violentos assaltaram a minha casa. Os golpistas destroem o Estado de direito", escreveu ele.

Evo Morales era presidente desde 2006, como líder há mais tempo no poder na América Latina. Na eleição de outubro, ele venceu com dez pontos de vantagem sobre o rival Mesa, o que lhe garantiu um novo mandato logo no primeiro turno.

No entanto, a apuração de votos ficou inexplicavelmente interrompida durante quase um dia inteiro, provocando acusações de fraude e desencadeando protestos, greves e bloqueios de rodovias.

Após as demissões no governo, também a presidente do Supremo Tribunal Eleitoral (TSE), Maria Eugenia Choque Quispe, apresentou sua renúncia "irrevogável" para ser "investigada", na sequência do relatório da OEA.

O Ministério Público boliviano já anunciou que processará os membros do TSE devido a irregularidades "muito graves" detectadas pela OEA, que podem ter levado a "erros criminais e eleitorais relacionados com o cálculo dos resultados oficiais".

AV/efe/lusa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais