1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Mulher com roupa de proteção, óculos e máscara fala ao telefone enquanto opera uma máquina.
EUA registram média de 700 mil novos casos de covid-19 por diaFoto: Callaghan O'Hare/REUTERS

EUA têm recorde de hospitalizações por covid-19

11 de janeiro de 2022

Em meio à disseminação da variante ômicron e à escassez de mão de obra, instituições estão permitindo que profissionais da saúde sigam trabalhando mesmo se testarem positivo para o coronavírus.

https://www.dw.com/pt-br/eua-t%C3%AAm-recorde-de-hospitaliza%C3%A7%C3%B5es-por-covid-19/a-60383855

As hospitalizações por covid-19 nos Estados Unidos atingiram o recorde nesta segunda-feira (10/01), de acordo com uma contagem da agência de notícias Reuters, à medida que a variante ômicron se espalha pelo país, preocupando as autoridades quanto a uma possível saturação dos sistemas de saúde.

Foram 132.646 pessoas hospitalizadas com covid-19 nesta segunda-feira, superando o recorde anterior de 132.051 pacientes em hospitais, em janeiro do ano passado.

As hospitalizações aumentaram de forma constante desde o final de dezembro, dobrando nas últimas três semanas, quando a ômicron rapidamente ultrapassou a delta e se tornou a variante dominante nos EUA.

Embora potencialmente menos grave, as autoridades de saúde alertam que o grande número de infecções causadas pela ômicron pode sobrecarregar os sistemas hospitalares. Algumas instituições já suspenderam procedimentos eletivos. Outras estão permitindo que profissionais da saúde que testaram positivo para covid-19 continuem trabalhando.

Delaware, Illinois, Maine, Maryland, Missouri, Ohio, Pensilvânia, Porto Rico, Ilhas Virgens Americanas, Vermont, Virgínia, Washington D.C. e Wisconsin relataram níveis recordes de pacientes hospitalizados com o coronavírus recentemente, de acordo com a análise da Reuters.

A variante ômicron fez os casos de covid-19 nos EUA explodirem para uma média de 700.000 por dia. Apenas sete estados não estabeleceram recordes de infecções por covid-19 em 2022: Arizona, Idaho, Maine, Montana, Dakota do Norte, Ohio e Wyoming, segundo a Reuters.

Levando em consideração a população, Washington D.C., lidera o ranking de novas infecções, seguido de Rhode Island, Nova York, Nova Jersey, Massachusetts e Vermont.

Hospitais autorizam positivados a trabalhar

Autoridades de saúde da Califórnia anunciaram no fim de semana que funcionários de hospitais com resultado positivo para covid-19, mas sem sintomas, podem continuar trabalhando. Alguns hospitais em Rhode Island e no Arizona fizeram o mesmo. 

O Departamento de Saúde Pública da Califórnia disse que a nova política foi motivada por "escassez crítica de pessoal".

No mês passado, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças disse que os profissionais de saúde infectados que não apresentem sintomas podem retornar ao trabalho após sete dias e com um teste negativo. No entanto, o tempo de isolamento pode ser reduzido ainda mais se houver escassez de pessoal.

Os trabalhadores infectados serão obrigados a usar máscaras N95 e devem tratar apenas pacientes positivos para covid-19. 

A Associação de Enfermeiros da Califórnia, com cerca de 100.000 membros, se opôs à decisão e alertou que isso levará a mais infecções.

A presidente da entidade, Cathy Kennedy, disse que o governador Gavin Newsom e outros líderes estaduais "estão colocando as necessidades das empresas de saúde antes da segurança de pacientes e trabalhadores". "Queremos cuidar de nossos pacientes e vê-los melhorar, não potencialmente infectá-los", completou.

Na área de Phoenix, a Dignity Health, uma importante operadora de hospitais, enviou um memorando aos funcionários dizendo que os contaminados com o coronavírus que se sentem bem o suficiente para trabalhar podem solicitar autorização a seus superiores.

Na semana passada, a França anunciou que permitiria que profissionais de saúde com sintomas leves de covid-19 ou assintomáticos continuassem tratando pacientes.

le (reuters, afp, ots)